colunista Beatriz Prates
Diretora geral do MyNews

Esforço

Um caminho cheio de obstáculos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Vou dormir esperançosa. Amanhã vou começar uma nova fase. 8:30 da manhã uma aula experimental numa academia. Nunca fiz academia. Na maioria do tempo sou uma pessoa sedentária. Fiz balé durante a adolescência e alguns esportes. Mas depois de adulta nunca consegui abraçar uma atividade.

Tentei aula de dança e cancelei porque, de tanto que faltava, não acompanhava a coreografia. Tentei yoga em vários lugares. No último desisti porque era um povo lindo demais, alongado demais, vegano demais… Não deu certo pra mim.

Aí veio a pandemia e a única atividade possível pra mim era caminhar. Caminhei menos do que precisava. E aí se consolidaram na minha barriga – que nunca foi chapada – uns indesejáveis quilos a mais.

De manhã, a positividade da noite anterior desapareceu. Primeiro porque não coloquei o alarme, então acordei sem saber onde estava. Fui olhar o relógio na sala e eram 7h50. Droga, ia dar tempo. Mas pensei: vou deitar um pouco mais. Encostei, mas levantei a tempo e fui, mesmo sem o endereço certo. Sabia só a rua. Me perdi um pouco e pensei em desistir, mas acabei achando o lugar.

Entrei direto pra aula porque estava, claro, atrasada. Já fui contando quantas pessoas tinha no ambiente e me irritando com a voz da professora que gritava. Mas o meu professor era outro, que alívio. Aí começaram os exercícios. E a cada série que ele passava mais o meu ódio aumentava.

Chegou então a temida hora dos abdominais. Sou péssima neles. Era aquele tipo completo, tinha que levantar o tronco inteiro, a perna… Depois da sexta repetição, já tava toda torta. Murmurei algo do tipo: esse eu não aguento. Ele me deixou fazer uma versão mais simplificada.

Vieram mais exercícios. Enquanto fazia cada sequência imaginava como iria dizer: obrigada, mas isso não é pra mim. Ou então pensava em como iria simplesmente sair andando, calçar o meu tênis e fugir pela porta sem falar com ninguém. Resisti. Foquei o olhar no ponto mais infinito e evitei qualquer interação com o professor.

Aos poucos me acalmei e consegui terminar a primeira aula. Paguei para experimentar o mês.


Relacionadas
Por que o governo se sente à vontade para desafiar a democracia?
Saúde Mental
A mulher mais poderosa das Olimpíadas disse não. A mulher negra que sofreu abusos, a medalhista, a insuperável, a super atleta, a super tudo, disse não. O poder desse “não” é gigantesco.
Investigações das denúncias de corrupção no governo Bolsonaro apontam novas possíveis razões para a demora na compra dos imunizantes
De sequestro a xingamentos. Governos autoritários e a perseguição de jornalistas.
Por que ainda estamos tentando replicar o modelo de antigamente?
As dúvidas alimentadas pela fake news do tratamento precoce
Inscreva-se na newsletter

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.