colunista Beatriz Prates
Diretora geral do MyNews

Fumacê de cloroquina

As dúvidas alimentadas pela fake news do tratamento precoce
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Quando você é arrimo de família toda decisão que você toma influencia diretamente a vida dos seus familiares. É um peso danado. 

Esses dias uma amiga que é responsável, como ela mesma diz, por decisões de “vida ou morte” na família dela mandou um kit covid – que não tem eficácia – para a irmã. Ela estava preocupada porque a irmã é do grupo de risco e a mãe dela – que já estava vacinada – teve Covid leve. Minha amiga não é bolsonarista. É empresária, jornalista e super bem informada. A justificativa pro kit que ela sabe que não funciona era “não aguentar a culpa se algo acontecesse de ruim e ela não tivesse dado nenhum remédio”. 

Eu fico pensando: se isso aconteceu com ela, quantas pessoas estão se esbaldando em ivermectina, azitromicina e cloroquina? Um levantamento da GloboNews dá uma ideia. Do ano passado pra esse aumentou em 857% a compra de ivermectina e 126% hidroxicloroquina. O fato do Conselho Federal de Medicina não ter se posicionado contra a cloroquina é horrorizante. Não custa lembrar que já morreu gente em nebulizações de hidroxicloroquina no Rio Grande do Sul e no Amazonas. 

Agora acompanhando os depoimentos na  CPI da Covid, a gente consegue ver como o governo agiu para colocar o medicamento na boca do povo. Além da propaganda do presidente que todos nós acompanhamos, o ex-ministro da saúde Luiz Henrique Mandetta contou do dia em que havia um decreto presidencial pronto para mudar a bula do remédio e dizer que ele era indicado para Covid. O diretor da Anvisa não deixou e um ministro disse que era só uma sugestão. O outro ex-ministro da saúde Nelson Teich reafirmou que saiu porque não topou bancar a recomendação do tratamento da Covid com o remédio. Só mesmo o general Eduardo Pazuello – também ex-ministro da saúde –  foi capaz de tamanha crueldade com o povo brasileiro. 

Mas e aí? E se você estiver com Covid e o médico disser pra você tomar um desses comprimidos? Se for sua mãe, seu pai, seu filho? É aí que vem o tal do fumacê. Nessa guerra ideológica que vivemos desde o dia 24 de março – quando o Bolsonaro disse que o coronavírus era uma gripezinha – as mentiras deixaram muitos de nós na dúvida. De tanto que são repetidas e propagadas as informações falsas geram receio, medo e até culpa. 

A mentira da cloroquina e do tratamento precoce prosperou impulsionada pela máquina do governo. Mas ela também criou vida própria. Planta dúvidas em cada um de nós porque no fundo tudo o que a gente queria é que fosse verdade. Que houvesse algo que desse um jeito, que nos protegesse desse vírus que a gente não vê e que paralisou a nossa vida.

Nesta grande confusão não nos resta muitas opções. Nem o Brasil e nem nenhum país do mundo tem remédio pra Covid.  A única esperança é a vacina e a ciência. Sigamos nos cuidando e tentando enxergar para além desse fumacê. 

Inscreva-se na newsletter
Relacionadas
De sequestro a xingamentos. Governos autoritários e a perseguição de jornalistas.
Por que ainda estamos tentando replicar o modelo de antigamente?
O show de horror da disputa pra vaga do “terrivelmente evangélico”
Na vida pessoal e profissional, estamos todos precisando de ajuda
3 ANOS DE MYNEWS
#MyNews faz 3 anos
Todas as mulheres da minha geração já passaram por situações humilhantes de machismo

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.