colunista Beatriz Prates
Jornalista

“Tira a calcinha e pisa em cima”

Todas as mulheres da minha geração já passaram por situações humilhantes de machismo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

“Tira a calcinha e pisa em cima”. Essa foi a resposta que levei, recém-chegada num novo emprego, quando pedi para um colega fazer uma modificação num vídeo. Claro, não foi direto assim porque muitas das humilhações que nós mulheres passamos vêm sempre debaixo do véu da brincadeira. O colega em questão estava do lado de outro homem que, diante do meu pedido, disse: “O que acontece quando um editor vem aqui apressadinho?”. E aí veio a resposta da calcinha. 

Os dois riram. Balbuciei o que queria e saí.  Nessa época  já era mãe de dois filhos e essa ofensa me deixou passada. Procurei então o chefe do departamento. Ele me escutou, disse que eu tinha razão, mas que para que ficasse um clima bom ele sugeria que eu mesma fosse falar com os colegas. “Eles são ótimas pessoas e não fizeram por mal”, ele disse. Eu, resignada, fui falar com eles. Por que aceitei sem reagir a esse tipo de humilhação? Por que não consegui dizer para o meu chefe que essa era a função dele? Acho que a minha geração de mulheres, que foi criada para ter sucesso profissional e ser independente, entubou que o único jeito era aguentar essas situações e seguir em frente. Sem contestação. 

Tenho colegas que foram literalmente convidadas para o teste do sofá e outras que tiveram que ouvir perguntas do tipo “você está de TPM? Por que está tão nervosa?”. Tem também o chefe que manda emagrecer ou engordar com pitacos do tipo “você não está mais tão atraente”. Tem chefe que quando questionado sobre aumento rebate: “mas e o seu marido, ele não ganha bem?”. O que tem em comum nessas situações? As mulheres não reagiram. Engoliram seco, responderam qualquer coisa, mas não confrontaram, não se posicionaram ou denunciaram o chefe ou colega de trabalho.

Acredito muito que essa nova geração está mais empoderada, com uma visão mais horizontal da sociedade.  Elas falam mais abertamente sobre machismo e feminismo e assim têm mais chance de mudar a realidade. Mesmo que a violência contra mulheres ainda seja brutal e a desigualdade de gênero ainda seja muito grande no Brasil, tenho esperança. O fato de estarmos falando sobre isso muda tudo. 

Eu mesma já sou capaz de me posicionar de uma maneira melhor. Essa coisa que muito homem tem de chamar as colegas no diminutivo – como garota, mocinha, menina e etc, eu já consigo alertar. O interlocutor geralmente estranha, acha que você está exagerando, mas é obrigado a te ouvir. Tem quem aceite bem e tem quem não aceite. E daí nesse caso é sempre o mesmo discurso: a fulana é louca, veio me chamar a atenção sem razão, era só uma brincadeira, tá exagerando. 

Nem sempre essas conversas têm um final feliz. Alguém pode sim pedir a sua cabeça por você estar se posicionando. Por isso ainda tem tanta mulher calada. Mas essa cultura vai mudar. Não nos calemos. Não tenhamos medo. Cada uma que fala abre o caminho para a próxima. 

Relacionadas
Um caminho cheio de obstáculos
Por que o governo se sente à vontade para desafiar a democracia?
Saúde Mental
A mulher mais poderosa das Olimpíadas disse não. A mulher negra que sofreu abusos, a medalhista, a insuperável, a super atleta, a super tudo, disse não. O poder desse “não” é gigantesco.
Investigações das denúncias de corrupção no governo Bolsonaro apontam novas possíveis razões para a demora na compra dos imunizantes
De sequestro a xingamentos. Governos autoritários e a perseguição de jornalistas.
Por que ainda estamos tentando replicar o modelo de antigamente?
Inscreva-se na newsletter

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.