Giro MyNews | Mais Médicos, carta de Zuckerberg e viaduto de São Paulo

Leia as notícias mais relevantes da manhã desta sexta-feira (16)

  • O Ministério da Saúde informou que será aberta ainda no mês de novembro a seleção para substituir os profissionais cubanos que integravam o programa Mais Médicos. Ainda segundo o órgão, um edital será formulado ainda nesta sexta-feira em reunião com a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas). O governo cubano anunciou a retirada de médicos do programa, atribuindo a decisão a “declarações ameaçadoras e depreciativas” feitas pelo presidente eleito Jair Bolsonaro.

 

  • Em carta, o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, afirmou que a rede social removeu cerca de 1,5 bilhão de contas falsas apenas no primeiro semestre de 2018. Relatório diz também que houve melhora na detecção de conteúdos sensíveis ou de ódio publicados por usuários. Zuckerberg destaca também investimentos em inteligência artificial em busca de remoção de fotos, vídeos e textos indevidos na rede social. O CEO disse também que as pessoas “interagem desproporcionalmente mais com conteúdos sensacionalistas e provocativos”, indicando medidas que deverão ser tomadas sobre o tema.

 

  • Viaduto que compõe uma das vias da Marginal Pinheiros, em São Paulo, pode desabar, diz Vitor Aly, secretário municipal de Infraestrutura Urbana e Obras da capital paulista. Na madrugada da última quinta-feira (15), o trecho próximo à ponte do Jaguaré, na zona oeste da cidade, cedeu dois metros e formou um “degrau” na pista. A Linha 9-Esmeralda do sistema de trens da capital, que passar sob o viaduto, teve tráfego interrompido entre as estações Pinheiros e Ceasa.

 

  • Responsável pela criação do WikiLeaks, plataforma que vazou conteúdos de diversos documentos confidenciais do governo norte-americano em 2010, foi indiciado nos Estados Unidos. De acordo com mensagem publicada pelo WikiLeaks via Twitter, promotores revelaram “acidentalmente” a existência desse processo, que estaria correndo na Justiça de maneira confidencial. Informação foi descoberta por Seamus Hugues, vice-diretor do Programa de Extremismo da Universidade George Washington, que é conhecido pelo monitoramento de arquivos judiciais no país.

 

  • Desaparecidos devido ao “Camp Fire”, incêndio mais letal da história a atingir a costa oeste dos Estados Unidos, ultrapassa 600 pessoas na Califórnia. Autoridades informaram que número dos que ainda não foram localizadas saltou de 300 para 631 após revisão da lista de ligações de emergência. Novo balanço também aponta crescimento dos mortos mortos pelo incêndio, que chegou a 63 após mais sete corpos serem encontrados.