Giro MyNews | Novo ministro, Mais Médicos e ação contra Havan

Confira as notícias mais relevantes da manhã desta sexta-feira (23)

  • Balanço divulgado pelo Ministério da Saúde informa que 84% das vagas disponíveis para o programa Mais Médicos foram ocupadas. O órgão afirma que houve 19.994 registros de inscrição até o momento, com 13.341 efetivadas e 7.154 com local de atuação escolhido. Data que marca o fim do período de registros foi prorrogada até o dia 7 de dezembro e os profissionais deverão se apresentar aos municípios escolhidos até o dia 14 de dezembro.

 

  • A Polícia Federal (PF) deflagrou a 56ª fase da Operação Lava Jato. A etapa, batizada de Sem Fundos, apura superfaturamento nas obras de construção da sede da Petrobras em Salvador, na Bahia. Ação da PF foi autorizada pela juíza federal Gabriela Hardt, substituta de Sérgio Moro. Até o momento foram presas 17 pessoas por suposto envolvimento no caso. Além da Bahia, ordens judiciais são cumpridas nos estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.

 

  • Ministério Público do Trabalho (MPT) de Santa Catarina cobra valor milionário em indenizações da rede varejista Havan em ação civil pública ajuizada nesta manhã. O empresário Luciano Hang é acusado pela Procuradoria de intimidação contra funcionários para que eles votassem em Jair Bolsonaro (PSL), então candidato à Presidência. Em vídeo publicado nas redes sociais, Hang afirmou ser um “ativista político” e que fará uma transmissão ao vivo às 17h para esclarecer o caso.

 

  • Por meio do Twitter, o presidente eleito Jair Bolsonaro confirmou o colombiano naturalizado brasileiro Ricardo Velez Rodriguez, atualmente professor emérito da Escola de Comando do Estado Maior do Exército, para chefiar o Ministério da Educação na noite da última quinta-feira (22). Em um blog pessoal, Rodriguez relata que a indicação para o cargo partiu do filósofo Olavo de Carvalho. Antes da nomeação oficial, foram especulados os nomes de Mozart Ramos, diretor do Instituto Ayrton Senna, e de Guilherme Schelb, procurador da República.

 

  • Uma criança de 9 anos foi morta por bala perdida na favela da Fazendinha, uma das comunidades que formam o Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro. Testemunhas afirmam que João Victhor Valle Dias soltava pipa em uma das lajes do local antes de ser atingido pelo disparo. Ele foi socorrido por moradores e deu entrada em uma unidade médica no bairro de Del Castilho, na zona norte da capital, mas não resistiu ao ferimento no tórax.