Giro MyNews | PF mira PCC, tragédia espanhola e novidade no caso Marielle

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Leia as principais notícias da manhã desta quinta-feira (11)

  • Em Porto Velho, capital de Rondônia, a Polícia Federal cumpriu três mandados de prisão preventiva e quatro de busca e apreensão em investigação que mira pessoas ligadas à facção criminosa PCC. Medidas cautelares também estão sendo executadas, como proibição de visitas íntimas a líderes do grupo que cumprem pena. Estariam sendo arquitetados ataques em seis cidades brasileiras, incluindo o Departamento Penitenciário Nacional, em Brasília.

 

  • O Ministério Público do Rio de Janeiro descobriu tipo físico do assassino de Marielle Franco, morta a tiros em março no bairro do Estácio, na região central da cidade. Além do biotipo, novos locais por onde o veículo utilizado passou após o crime também foram identificados.

 

  • De acordo com números oficiais de momento, chega a 12 o número de mortos após inundações que devastaram a ilha de Mallorca, na Espanha. Foram encontrados os corpos de um homem e uma mulher semelhantes ao casal alemão que havia sido dado como desaparecido. Outras vítimas são seis espanholas, duas britânicas, uma holandesa e uma com nacionalidade desconhecida. Uma criança de 5 anos ainda é dada como desaparecida.

 

  • Cruzeiro vence o Corinthians por 1 a 0 na primeira partida da decisão da Copa do Brasil. Confronto foi disputado no Mineirão e viu os comandados de Mano Menezes desperdiçarem muitas chances, assegurando o triunfo pelo placar mínimo. O jogo da volta, na Arena Corinthians, tem data marcada para a próxima quarta-feira (17).

 

  • Os EUA enviaram investigadores à Arábia Saudita para investigar desaparecimento de jornalista, informou o presidente Donald Trump em entrevista à Fox News. O Serviço de Inteligência norte-americano apontou que o desaparecimento de Jamal Khashoggi, no dia 2 de outubro, tem relação com Mohammed bin Salman, príncipe herdeiro saudita. Ele estava no consulado do país em Istambul, na Turquia, antes de sumir.

LEIATAMBÉM