Justiça suíça revoga efeito suspensivo concedido a Paolo Guerrero

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Atacante peruano conseguiu liberação para voltar aos gramados pouco antes do início da Copa do Mundo deste ano

 

Um novo capítulo da novela Guerrero ocorreu na manhã desta quinta-feira (23). A Justiça suíça revogou o efeito suspensivo concedido ao jogador no mês de maio, pouco antes do início da Copa do Mundo da Rússia, o que fez com que ele pudesse defender a seleção de seu país na competição.

Presidente Marcelo Medeiros e o vice-presidente de futebol Roberto Melo anunciam a contratação do jogador Paolo Guerrero. (Foto: Ricardo Duarte/Internacional)

Os sul-americanos foram eliminados na fase de grupos e o centroavante voltou ao Brasil para retomar os treinamentos no Flamengo. No entanto, neste mês Guerrero foi negociado pelo clube carioca com o Internacional, assinando um contrato por três temporadas.

Ele não chegou a entrar em campo pela nova equipe e, com o efeito suspensivo revogado, não poderá mais atuar em 2018, tendo em vista que foram esgotados todos os recursos da defesa.

Entenda o caso

Em exame antidoping feito após o confronto entre Peru e Argentina pelas Eliminatórias Sul-Americanas da Copa do Mundo em outubro de 2017, Guerrero testou positivo para um metabólico da cocaína. O caso foi julgado pelo Tribunal Arbitral do Esporte (TAS) e o peruano foi condenado a um ano de suspensão.

A defesa do centroavante recorreu da decisão junto à Fifa e conseguiu uma redução de pena em dezembro do ano passado para 6 meses. Entretanto, poucos dias depois, a Corte ampliou a pena para 14 meses, mas Guerrero conseguiu voltar a atuar após recorrer à Justiça Comum da Suíça.

Com o recurso aceito, as atividades foram retomadas em solo brasileiro com o Flamengo e o atleta pôde disputar o Mundial da Rússia. Pelo rubro-negro, foram três jogos disputados e um gol marcado diante da Chapecoense. Pela seleção de seu país, o atacante marcou na vitória por 2 a 0 sobre a Austrália.

Agora, revogada a decisão, Guerrero terá que cumprir os 8 meses restantes de punição.

LEIATAMBÉM