Witzel (também) não entende nada de ONU

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, anunciou que recorrerá à ONU para lidar com o tráfico de armas, que saem do Paraguai, Bolívia e Colômbia. Se confundiu, chamando o Conselho de Segurança da ONU de “Comissão”. Witzel disse que sugeriria uma retaliação aos países vizinhos e até o fechamento da fronteira. Nelson Garrone conversou com o professor de Direito Internacional, José Moraes. Para entender como seria esse pedido do governador à ONU. Sobre as estratégias de segurança que seriam necessárias pra lidar com o tráfico de drogas e a violência no Rio, duas entrevistas. Primeiro, Paulo Storani, antropólogo, ex-comandante do Bope (PMERJ) e especialista em segurança pública. Por fim, Rafael Alcadipani, professor de Estudos Organizacionais da FGV-SP, membro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.