COMUNICAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DETERMINA VOLTA AO TRABALHO PRESENCIAL

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Funcionários reclamam de pressão por retorno sem necessidade; teletrabalho estaria funcionando normalmente

O secretário especial de Comunicação da Presidência da República, Fábio Wajngarten, determinou o retorno dos servidores da Secom ao trabalho presencial nesta segunda-feira, 18 de maio. A determinação vai ao encontro das falas do presidente Jair Bolsonaro, que tem insistido pelo retorno das atividades econômicas a despeito das orientações da Organização Mundial da Saúde de isolamento social para o combate ao coronavírus.

Na portaria assinada em 15 de maio, Wajngarten determina que a partir desta segunda-feira retornem todos os servidores que ocupem cargos gerenciais, como secretários, diretores e coordenadores-gerais.

Na próxima quarta-feira, 20, voltam os demais, divididos em dois turnos — de 8h30 às 14h30 e de 14h30 às 20h30. As 2h restantes para completar a carga horária diária de 8h deverão ser feitas de casa. Terão preferência pelo turno presencial da manhã os dependentes de transporte público.

Em uma terceira etapa, ainda com data a definir, retornarão os servidores com 60 anos ou mais, responsáveis pelo cuidado de pessoas com suspeita de coronavírus, grávidas ou lactantes, e quem tenha doenças crônicas ou graves preexistentes.

Os gestores são recomendados a orientar uma distância mínima entre os servidores de 1,5 metro, ampliar as comunicações internas para promover o distanciamento, recomendar que cada um tenha seu álcool em gel para uso pessoal e, ainda, incentivar o uso da escada para evitar elevadores quando houver lotação inadequada para o afastamento necessário.

Ouvidos em anonimato, servidores afirmam não haver condições para manter as recomendações de distanciamento. Afirmam ainda que o sistema de trabalho remoto tem funcionado de maneira satisfatória, não havendo motivo para o retorno presencial. Acreditam estarem sendo usados como exemplo, para não contradizer o discurso de Bolsonaro de que é possível retomar as atividades para não paralisar a economia.

No último domingo, 17, o presidente voltou a participar de aglomeração em frente ao Palácio do Planalto. Ele compareceu a uma manifestação, desta vez acompanhado de 11 ministros. Bolsonaro abaixou a máscara em um momento, pegou bebês no colo e ergueu as mãos de ministros, contrariando as recomendações de isolamento social.

O MyNews procurou a Secretaria de Comunicação da Presidência da República, mas não obteve retorno até a publicação desta nota. O espaço está aberto para a manifestação.

LEIATAMBÉM