Saúde mais cara

Disparada nos planos de saúde em 2021: o que fazer?

Após suspensão do reajuste de 2020, ano começa com alta que pode passar de 30%
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Planos de saúde, médico, consulta
Planos de saúde começam 2021 mais caros. Procon-SP critica aumento em meio à pandemia. (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)

O ano de 2021 começa com as contas mais caras para 20 milhões de usuários de planos de saúde. A alta nos preços pode passar de 30% em alguns casos.

O mega reajuste acontece depois que a Agência Nacional de Saúde (ANS) suspendeu as altas dos planos em 2020, por causa da pandemia do novo coronavírus. A medida foi aplicada para os planos das categorias individuais e coletivos por adesão e empresariais. 

Alta dos planos de saúde em 2021

A partir de janeiro, os usuários dos planos terão que arcar com o reajuste — anual ou pela mudança de faixa etária — que não foi feito no ano passado.

Em reunião no início de dezembro, os diretores da ANS estabeleceram que o teto para reajuste dos planos individuais para este ano seria de 8,14%, maior que o IPCA projetado para 2020, de 4,25%, e superior também ao ajuste de 2019, que foi de 7,35%. Para os planos coletivos, o percentual sobe para 15%. 

Além dessa alta, os boletos do início de ano vão incluir também as primeiras das 12 parcelas que somam os valores não repassados de 2020.

O reajuste dos preços, pela decisão da ANS, precisa ser informado de forma separada da mensalidade do boleto, de forma clara e com a indicação do período de início de término da cobrança.

Reação e críticas

Diante da cobrança, o Procon-SP tem preparado uma Ação Civil Pública contra todos os planos de saúde. O objetivo é conseguir a suspensão ou diminuição do percentual de reajuste dos planos.

Em entrevista ao Dinheiro Na Conta, a coordenadora de atendimento do Procon-SP, Renata Reis, lembra que 2020 foi um ano lucrativo para os planos de saúde, com a queda nas receitas das operadoras e baixa nos atendimentos de saúde convencionais, por causa da pandemia. 

“É muito difícil alegar um percentual acima da inflação que será justificável para o consumidor. As empresas vão ter que apresentar as contas, mostrar que há necessidade do reajuste e que ele não é abusivo”, explica ela. O Procon-SP orienta que os beneficiários que receberem aumentos abusivos pode encaminhar reclamação ao portal do órgão. 

Segundo a ANS, o reajuste feito diz respeito às despesas de 2018 e 2019, período anterior à pandemia, e que o movimento da pandemia será percebido somente “no reajuste referente a 2021”.

A agência também justifica que fez o possível para adiar a alta no ano da pandemia e para diluir o pagamento em 2021, para “minimizar o impacto aos beneficiários”. 

O advogado Vitor Boaventura, especializado em direito do seguro, sócio do escritório Ernesto Tzirulnik Advocacia, critica a decisão tomada pela a agência reguladora.

“Na prática, o que a ANS fez foi tornar todos os consumidores de planos de saúde devedores. É como se ela estivesse cobrando retroativamente aquele reajuste que foi congelado, e não cancelado no ano passado”, avalia. 

Para quem que se sentiu lesado com o aumento nos preços, Boaventura sugere, além da reclamação nos Procons, que o beneficiário tente uma negociação com o plano de saúde. Outra saída é procurar a ANS para obter informação sobre alta.

Relacionadas
Intervenção do BC
Moeda dos EUA opera em forte alta após mudanças em políticas de preços de combustíveis
Ministro da Economia
Ministro defendeu limites para o endividamento público e falou sobre sua permanência no cargo
DESIGUALDADE
Avanço da pandemia, desemprego, inflação sobre alimentos e afrouxamento de políticas de proteção social agravam cenário
REAJUSTE
No ano, é a quinta alta da gasolina e a sexta do diesel. Elevações fizeram Bolsonaro trocar comando da estatal
home office?
Em janeiro, desvalorização de imóveis comerciais se estabilizou. Tendência é que empresas comecem a retomar atividades presenciais em escritórios mais adaptados ao home office
CRISE DA PANDEMIA
Paulo Gala avalia condução econômica do governo e alerta para um início de 2021 problemático ao Brasil

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.