Desigualdade na comunicação

Os fatos na escuridão: o crescimento dos desertos de notícias no Brasil

62% dos municípios brasileiros não contam com cobertura jornalística, quem mais sofre é a população local
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Quando você soube da crise energética no Amapá — o maior blecaute já ocorrido no país — fazia quantos dias que o estado estava às escuras? Das 16 cidades do estado, 13 ficaram sem energia elétrica. O problema começou na noite do dia 3 de novembro, uma terça-feira, mas foi só próximo do final da semana que tomou parte do noticiário nacional com vídeos e postagens de cidadãos em redes sociais denunciando a condição em que se encontravam. De acordo com o Atlas da Notícia, projeto realizado pelo Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo (Projor) em parceria com o Volt Data Lab, em 9 dos 16 municípios do Amapá não existe sequer um veículo de comunicação em funcionamento. A maior parte do estado passou dias em condição de calamidade e mais da metade das cidades não tinha profissionais locais fazendo a cobertura para prestar informações à população.

O jornalismo local é um serviço essencial que está sob ameaça no Brasil. Cresce a cada ano o número de cidades que não contam com a presença de nenhum veículo jornalístico. São os chamados desertos de notícias. De acordo com o estudo, estamos falando em 62% dos municípios brasileiros, o que deixa 18% da população nacional sem acesso aos fatos e eventos cotidianos ou informações sobre serviços locais.

Se forem somados a esse número os municípios que contam com a presença de apenas um ou dois veículos – os quase desertos, que também representam um indicador preocupante – chega-se a 81% de municípios com escassez de cobertura jornalística sendo feita por veículos de rádio, impressos, televisão ou online.

Finalmente, outro indicador crítico é a concentração de veículos nas regiões Sul e Sudeste do país: 65% segundo o levantamento. Os locais mais pobres e com menor acesso à educação no Brasil são também os mais carentes em acesso à informação local. Ainda que não seja possível provar uma relação direta entre um indicador e outro, as cidades com maior oferta de jornalismo local apresentam também melhores resultados nos índices de desenvolvimento humano.

Cresce a cada ano o número de cidades que não contam com a presença de nenhum veículo jornalístico. São os chamados desertos de notícias
Cresce a cada ano o número de cidades que não contam com a presença de nenhum veículo jornalístico. São os chamados desertos de notícias. (Foto: Karolina Grabowska/Pixabay)

Jornalismo como holofote

Apoiar o jornalismo local significa combater diretamente a falta de transparência sobre dados públicos e funciona como instrumento para reduzir o nível de desinformação em diferentes escalas. Cidadãos bem informados sobre o que se passa em seu entorno votam com mais consciência, se mobilizam em favor de pautas de bem comum e são capazes de prestar apoio mais efetivo às suas comunidades.

O problema é profundo. Ao longo dos últimos anos, a situação econômica do país, as mudanças no comportamento de consumo de conteúdo por parte da população (cada vez mais digital) e transformações nos modelos de negócios para essa indústria, que antes eram ancorados na venda de publicidade e classificados, contribuíram para o fechamento de muitos veículos que se propunham a fazer a cobertura do noticiário nesses locais. Mas a despeito dos fatores econômicos e sociais que atrapalham o desenvolvimento desses empreendimentos, existe também um grande desafio cultural nas empresas de mídia. A atualização profissional, a absorção de novas habilidades e disciplinas e a transformação do negócio em um serviço digital estão entre as áreas de foco que muitos veículos existentes carecem.

“Democracy dies in darkness” (“a democracia morre na escuridão” em tradução livre), é o slogan do jornal Washington Post. E o jornalismo local tem papel fundamental em ser o holofote que permite à sociedade conhecer e enxergar os fatos para realizar seus julgamentos pessoais, cobrar autoridades, saber quem morreu na vizinhança, a que horas fecha o cartório, preencher palavras cruzadas ou ler charges do dia.

Desertos deste tipo também existem e crescem próximo de grandes centros. Em São Paulo, cidade mais rica do Brasil, em um raio superior a 20 quilômetros a partir da Avenida Faria Lima, principal centro de negócios da cidade, a periferia carece de cobertura local. Nos bairros e cidades à margem da capital, parte significativa dos jornais e rádios locais são controlados por políticos – por sorte, há exceções, sobre as quais comentarei adiante.

Em cada cidade sem cobertura jornalística, quem mais sofre é a população local que a princípio fica sem notícias sobre o que se passa à sua volta e, como consequência, é lesada pela negligência do poder público que não é fiscalizado, pelo crescimento nos casos de corrupção, pela falta de acesso a informações e prestação de serviços essenciais.

Pequenos oásis

Nos últimos anos, surgiram no Brasil iniciativas que procuram ampliar a cobertura e a voz do jornalismo local que ressoam como sinal de esperança. Os dados revelados pelo Atlas da Notícia são um grande passo para evidenciar o problema, mas o surgimento de novos empreendimentos jornalísticos nessas regiões e alternativas de apoio aos veículos locais tradicionais em seu processo de transformação no ambiente digital começam a dar frutos em algumas cidades.

Na Grande São Paulo, iniciativas como a da Agência Mural cumprem papel fundamental de lançar luz sobre os fatos do cotidiano das periferias e atuam com correspondentes locais (chamados muralistas), que vivem na região, para produzir conteúdo a partir dos bairros e cobrir o que acontece em cada um dos 32 subdistritos da capital paulista e nas cidades da região metropolitana. No ar há 10 anos, a agência tem firmado parcerias com veículos nacionais e usado canais em plataformas digitais para expandir sua capacidade de produção e distribuição de conteúdo. Recentemente a Mural divulgou que está expandindo a presença da agência para a cidade de Salvador na Bahia.

Em Minas Gerais, estado com maior número de municípios no país (853 no total), estima-se que 70% das cidades estejam às escuras. O jornal Estado de Minas lançou há alguns meses o projeto Regiões. Nessa iniciativa, construída em parceria com a Google News Initiative, jornalistas são recrutados em suas cidades natal para contribuir com reportagens sobre suas cidades, que passam a alimentar editorias locais no site do jornal. Desde o início do projeto, sete regiões do estado e aproximadamente 200 cidades passaram a ter cobertura local. Recentemente, o veículo comemorou a publicação da primeira notícia a partir de Fama, cidade com 2.000 habitantes que tinha, finalmente, representatividade no noticiário. A ambição da iniciativa é mitigar completamente os desertos de notícias no estado.

O surgimento de novas startups de jornalismo no Brasil é outro sopro de boas novas que têm contribuído para fortalecer o noticiário local e o ecossistema de mídia. Em geral, são operações mais dinâmicas, que fazem uso de tecnologias de colaboração, mantêm foco em desenvolvimento e aprimoramento de seus produtos e adotam plataformas digitais para distribuição de conteúdo, construção de comunidades e procuram adotar de modelos de negócios que combinam fontes de receita diversas – que passam por venda de assinaturas, captação colaboração de leitores membros, crowdfunding, eventos e venda de anúncios de forma direta ou automatizada (a publicidade programática).

Nesse cenário, surgiram veículos como o MyNews, que há dois anos vem fazendo cobertura do noticiário de forma descentralizada a partir do YouTube e consegue lançar luz sobre o cotidiano de regiões menos usando uma extensa rede de colaboradores presente em todo país e que agora expande sua operação nesse novo site. Surgiu também a Agência Tatu de Jornalismo de Dados, recentemente selecionada entre as empresas a serem aceleradas no GNI Startup Lab do Google, que desde 2017 se propõe a produzir material jornalístico sobre o estado de Alagoas utilizando dados dispostos em portais de transparência e acessados por meio de solicitações feitas aos órgãos pela Lei de Acesso à Informação (LAI). Estima-se que 75 das 102 cidades de Alagoas sejam desertos de notícias.

Investir e fomentar a produção jornalística local, portanto, é uma necessidade prioritária. É também, para novas iniciativas, uma oportunidade para construir comunidades ao redor do interesse comum das cidades e sua população.

A internet tem papel fundamental no processo de capacitação e empoderamento dessas iniciativas, oferecendo condições para redução de custos e também na ampliação do poder de distribuição e abertura no acesso a informação para as pessoas. À medida que o acesso à internet é cada vez maior no país e 7 em cada 10 brasileiros já estão conectados (segundo dados da última Pesquisa TIC Domicílios), a rede se torna o principal canal para publicação e acesso a notícias.

Para reduzir a desigualdade, é preciso prover acesso, dar espaço para todas as vozes, é necessário que se amplie o ambiente de debate para que cada cidadão, em sua cidade, possa ter acesso ao essencial: informações bem apuradas, dados transparentes, senso de comunidade, serviço local e, por que não, charges e palavras cruzadas.


Luiz Henrique Matos é diretor de parcerias do Google no Brasil, responsável pelo relacionamento com grupos de mídia e integrante do grupo de trabalho global da Google News Initiative. Formado em Comunicação pela Universidade Mackenzie em São Paulo e pós-graduado pelo Insper, trabalha há 20 anos com mídias digitais, com passagens pelos grupos UOL/Folha, Editora Abril e America Online.

Inscreva-se na newsletter
Relacionadas
CPI DA PANDEMIA
Relator divulgou lista com 14 nomes; inclui Wizard, Wajngarten, Capitã Cloroquina
Entrevista
Ex-senador afirma ter sido vítima de uma “verdadeira aberração jurídica”
2022
Renato Pereira, contratado por Freixo, fez delação premiada que baseou denúncia contra prefeito do Rio
Privatização
Em corrida contra o tempo, Arthur Lira marcou para segunda (21) votação da MP, que vence na terça
PRIVATIZAÇÃO
Projeto que permite privatização da Eletrobras volta para Câmara. MP perde validade na terça se não for aprovada
Senado Federal
Maria Inês Fini avalia que senador mostrou na CPI da Pandemia não ter preparo emocional e condições para exercer o cargo

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.