balão MyNews
Artigos dos membros do MyNews

Clubes de futebol avançam na pauta LGBTQIA+, mas torcedores ainda marcam gols contra

Enxurrada de comentários preconceituosos inundou as redes sociais em virtude das ações de clubes
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Vimos na sétima rodada do Campeonato Brasileiro, tanto na série A quanto na B, iniciativas de combate à LGBTfobia. Isto se deu em razão da proximidade das datas com o Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+, 28 de junho, em razão da rebelião de Stonewall ocorrida neste dia, em 1969, em Nova York. Um levante contra violência policial neste bar de público LGBTQIA+, numa época em que homossexualidade era item do Código Penal dos Estados (derrubada definitivamente nos EUA pela Suprema Corte somente em 2003).

Esse posicionamento não é algo novo. Postagens referentes a este dia nas redes sociais dos clubes têm crescido nos últimos anos, mas neste último final de semana as iniciativas de maior visibilidade abalaram uma parte dos torcedores nas redes sociais.

Vimos Flamengo e Fluminense usarem nos uniformes dos jogadores números com as cores da bandeira arco-íris, criada por Gilbert Baker a pedido de Harvey Milk para representar o movimento gay em 1978.

O Vasco, além de um manifesto, lançou um quarto modelo de uniforme em que a tradicional faixa transversal foi remodelada com as cores do movimento LGBTQIA+.

É bom lembrar que outras medidas como estas já ocorreram anteriormente. Na Europa, PSG já estilizou os números dos jogadores há poucas semanas, Rayo Vallecano e St Pauli também já tiveram uniformes específicos com essa temática. O Bahia, por meio de seu Núcleo de Ações Afirmativas, no início deste ano também lançou de forma oficial uma camisa em apoio à luta LGBTQIA+.

Mas o que ocorreu em quantidade relevante nas páginas de Vasco, Flamengo e Fluminense foi uma série de comentários preconceituosos que repetiam quase mesmo teor: “Isso é pura lacração”; “Vou cancelar meu título de sócio”; “Foco tem que ser no futebol e não essas besteiras”; “Nem vou assistir o jogo”; “Aqui é time de macho”; “Vergonha eterna”. Além de outros ainda mais pesados. Não raras associações à pedofilia.

É revelador e simbólico como diversas outras campanhas, contra o racismo, contra a violência contra a mulher, em favor do recolhimento de alimentos para populações periféricas enfrentarem a pandemia não enfrentaram tamanha resistência e ódio.

Flamengo que se orgulha de ser um clube de massas, com torcedores de todas as classes sociais; Fluminense que divulgou fortemente o lema #TimeDeTodos após diversos casos de cânticos homofóbicos de jogadores e torcidas adversárias; Vasco que sempre recorda de ter se recusado a expulsar doze jogadores negros em 1924 e por isso foi impedido de continuar na Primeira Divisão do Campeonato Carioca na época, mesmo sendo o então campeão.

Ainda assim, vemos que a luta é grande. A falta de empatia com as dores, perseguições, não aceitação, agressões e homicídios de uma parcela significativa da população seguem transcendendo a polarização política pós 2018. O bolsonarismo não tem propriedade privada sobre a homofobia e a transfobia.

Clubes brasileiros estão chegando ao século XXI, mas parte dos torcedores insiste em se manter na Idade Média.

Até mesmo um candidato à presidência do Vasco nas últimas eleições lançou uma nota neste final de semana, justificando que a tradição católica do século XV “de levar luz, conhecimento e fé ao Oriente” (sic) se relaciona intimamente com a instituição Vasco da Gama, e assim não permitiria que ações contra homofobia e transfobia fossem feitas pois poderiam gerar um conflito moral de torcedores e associados.

Faltou só citar que se for para lembrar de tradição religiosa do século XV, não dá nem para criticar escravidão, ainda mais ser contra o racismo.

Urge deixarmos a Idade Média. Chega de gol contra.


Quem é Walter Moreira Dias?

Walter Moreira Dias é professor, graduado em História pela Universidade Federal Fluminense e mestre em Sociologia e Antropologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atua na SEEDUC-RJ e na SME-Maricá.

* As opiniões das colunas são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a visão do Canal MyNews

Já que você está aqui… Um recadinho rápido: o apoio ao jornalismo é fundamental para a democracia. O programa de membros do MyNews é essencial para que continuemos reportando fatos, promovendo debates e fiscalizando o poder. Ao apoiar o Canal, você tem acesso a programas exclusivos, descontos em livros, uma newsletter extra, análises, reportagens e entrevistas especiais. Além de poder escrever para o “Você Colunista”.

Relacionadas
OPINIÃO
Bolsonaro interpreta no palco do “cercadinho” o herói revolucionário antissistema, lutador contra as forças do mal. Porém, quando as cortinas se fecham, está ele arrochando com o centrão e fazendo exatamente o que condena em cena
OPINIÃO
A depender do momento histórico, é importante para o país, ora adotar políticas públicas mais conservadoras, ora adotar outras tantas mais progressistas. Assim como o mundo se transforma em função das tecnologias, das mudanças ambientais, do espírito do tempo; também podem mudar as prioridades nacionais
OPINIÃO
Os evangélicos do tipo neopentecostal supostamente seguem por princípio os ensinamentos dos evangelistas. Mateus, Marcos, Lucas e João. Entre esses não há indicação qualquer acerca de prevalência da riqueza em relação à pobreza como distinção
OPINIÃO
A vida se transforma agora e o tempo todo e precisamos de um caminho para trilhar fora dos aplicativos eletrônicos. A solidariedade precisa ultrapassar os limites do mundo virtual
OPINIÃO
O Brasil tem a peculiaridade de possuir matriz energética três vezes mais limpas do que a média mundial, o que não afasta a urgência de discutirmos os desafios da transição energética
OPINIÃO
Também chamado de financiamento coletivo, o crowdfunding é uma modalidade de investimento que captou R$ 84,4 milhões em 2020 e beneficiou diversos setores da economia durante a pandemia
Inscreva-se na newsletter

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.