Operações policiais no RJ

Cecília Olliveira: Quem se importa com crianças mortas a tiros

As mesmas instituições que deveriam garantir a segurança da população, historicamente têm aumentado a exposição dos cidadãos ao risco
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

No mesmo mês em que ocorreu a audiência Pública sobre letalidade
policial no Rio de Janeiro, convocada no âmbito da Arguição de
Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 635 pelo Supremo
Tribunal Federal, o Ministério Público do Rio de Janeiro extinguiu o
Gaesp, o Grupo de Atuação Especializada em Segurança Pública, do
Ministério Público. O fim do Grupo que apurava a má conduta de
policiais fragiliza ainda mais o já fraco controle da violência policial no
Rio. Mas quem se importa?


A Audiência Pública ouviu uma centena de pessoas e organizações em
dois dias de discussão. O Governo do Rio sequer se dignou a enviar um
representante. O silêncio diz muito.


Em 2019, o Estado bateu o recorde de mortes cometidas policiais. Foi o
maior número de toda a série histórica, iniciada em 1998. E isso, sem
surpresa, não diminui a violência, como atesta estudo do MP.

Após pressão e inúmeras críticas, feitas na imprensa e na audiência pública, o MP criou um “Grupo Temático Temporário”, para “o atendimento às determinações de redução da letalidade e da violência policial no Estado”. O GTT é um paliativo sobre o fim do Gaesp, mas temporário. A resolução GPGJ nº 2.411 foi publicada na sexta feira (23).


Operações policiais mal planejadas, como a ação conjunta da Polícia
Civil e Federal, que vitimaram João Pedro, e outras que interromperam a
bala a distribuição de cestas básicas para socorro na pandemia, foram o
estopim para que o STF agisse. Assim foi estabelecida a suspensão de
operações não urgentes e não justificadas com antecedência ao MP, a
ADPF 635.

Estátua que simboliza a Justiça em frente ao STF (Supremo Tribunal Federal), em Brasília
Estátua que simboliza a Justiça em frente ao STF (Supremo Tribunal Federal), em Brasília. (Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)


A medida trouxe bons resultados.

Quantos de nós sabíamos que 1 criança é baleada no Grande Rio a cada
17 dias? Isso é inadmissível. Em 5 anos houve mais de 30 mil tiroteios na
região metropolitana, segundo dados do Instituto Fogo Cruzado. Isso é
incompatível com o estado democrático de direito e só ocorre porque o
estado aposta em políticas públicas fracassadas e falha em garantir o
monopólio do uso da força. No caso, é incapaz de conter a circulação de
armas, visto que cerca de 71% dos tiroteios ocorrem na ausência das
forças de segurança estatais.


Somado a isso, as consequências da atuação das polícias priorizando o
confronto ao invés de ações de inteligência, nos expõem a desastres incorrigíveis, como a morte das primas de Emily e Rebecca, de 4 e 7
anos, mortas durante uma ação policial em Caxias.

Neste período, houve agentes de segurança em mais de ¼ do total dos
tiroteios e estas ações resultaram em 60% dos mortos e 80% dos feridos
no Grande Rio. Ou seja, as mesmas instituições que deveriam garantir a
segurança da população, historicamente têm aumentado a exposição dos
cidadãos ao risco.


Durante o período de vigência da ADPF, os tiroteios caíram 22%. E
tiroteios com a presença de agentes de segurança caíram ainda mais:
32%. O número de mortos caiu 33% e o de feridos, 28%. São números
muito expressivos para quem vive o cotidiano do Rio.


A grande preocupação de quem se opunha à ADPF era que sem
operações policiais em favelas, os crimes iriam aumentar – o que não
aconteceu. Um estudo da Universidade Harvard mostrou que ADPF não
fez aumentar de maneira expressiva os roubos e furtos; ataques a
policiais em patrulha rotineira também não cresceram. Nas apreensões
de drogas, principal motivo para as operações, o impacto foi mínimo.
Ou seja, é possível haver uma política pública de segurança que preserve
vidas. É possível que a gente não perca Agathas, Joãos Pedro, Emilys,
Rebeccas, Anas Clara. Mas quem se importa?


Quem é Cecília Olliveira

Cecília Olliveira é jornalista investigativa especializada na cobertura de tráfico de drogas e armas e violência. É fellow da Shuttleworth Foundation e escreve para o El País Brasil. Ela foi a única finalista latino-americana do Prêmio Repórteres Sem Fronteiras de 2020, que homenageia vozes intrépidas e corajosas na mídia global.

Inscreva-se na newsletter
Relacionadas
Saúde pública e privada
No mercado de seguros de automóveis, por exemplo, uma baixa da sinistralidade, ou seja, um segurado que utiliza pouco o seguro, tem um desconto nos seus prêmios. Ocorreu isso com os planos de saúde? Não
SAÚDE PÚBLICA E PRIVADA
Cerca de 47,6 milhões de brasileiros estão vinculados a planos de assistência médica e hospitalar, mercado onde atuam 709 empresas operadoras, que movimentaram uma receita de aproximadamente R$ 220 bilhões em 2020
Dia do trabalhador
Nos últimos anos, uma reforma trabalhista, aprovada e “discutida” em tempo recorde, foi apresentada como a panaceia que promoveria a geração de 6 milhões de empregos
Dia do Trabalhador
Com o desemprego, mazelas ainda vivas se intensificaram, como a fome, o endividamento e o abandono escolar
Operações policiais no RJ
Estamos avaliando um cenário onde temos uma polícia atuante contra uma criminalidade que não pode ser desconsiderada da equação
América do sul
Não constitui interesse brasileiro um caminho solitário, desvencilhando-se dos vizinhos para alcançar acordos bilaterais fora do continente

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.