Crise hídrica

Rodrigo Leão: A crise hídrica dificulta a vocação brasileira de produtora de energia limpa

A fim de evitar um apagão do fornecimento elétrico, o país fica obrigado a utilizar suas usinas termelétricas que funcionam a partir de gás natural – uma energia mais suja em comparação à hidrelétrica
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Em 2015, o Acordo de Paris foi ratificado por 195 países consolidando uma posição sobre a necessidade de enfrentamento das mudanças climáticas e do aquecimento global.

O Brasil definiu uma meta de redução na emissão dos gases do efeito estufa de 37% até 2025 e de 43% até 2030. Para atingir este objetivo, o país se comprometeu a alcançar a participação de 45% de energias renováveis na matriz energética, aumentar a participação da bioenergia sustentável para 18% e obter 10% de ganhos de eficiência no setor elétrico.

A matriz energética brasileira já é considerada uma das mais limpas do mundo. Embora o consumo de energias não renováveis seja maior do que o de renováveis, usamos mais fontes renováveis do que no resto do mundo. A soma de hidráulica, cana, lenha e carvão vegetal e outras renováveis totalizam 46,2% de nossa matriz, quase a metade, enquanto na média mundial esse número cai para 13,8%.

Nesse sentido, as duas primeiras responsabilidades energéticas assumidas pelo Brasil em Paris seguem administradas dentro das metas. A despeito disso, a redução das emissões de GEE não está sendo cumprida. Segundo o Relatório do Observatório do Clima, nos últimos anos o Brasil se tornou o quinto maior emissor de gases poluentes, respondendo por 3,2% das emissões globais e ficando atrás apenas de China, EUA, Índia e Rússia.

Além dos problemas associados à atividade agropecuária que elevam a emissão de gases do efeito estufa por conta dos desmatamentos, queimadas e dos impactos inerentes à pecuária, o contrário desses países, a ausência de planejamento energético também prejudica o alcance da meta de GEE. Isso porque, a fim de evitar um apagão do fornecimento elétrico, o país fica obrigado a utilizar suas usinas termelétricas que funcionam a partir de gás natural – uma energia mais suja em comparação à hidrelétrica.

Esse maior uso das termelétricas se deve ao período de maior estiagem, mas também à gestão realizada pelo Operador Nacional do Sistema (ONS). Como mostram os especialistas do Grupo Energia e Sociedade no Capitalismo Contemporâneo pela UFRJ, Dalila Calixto e Gilberto Cervinski, o órgão tem priorizado o despacho para maximizar os retornos de curto prazo ocasionado um esvaziamento dos reservatórios das usinas. Eles citam o caso de Itaipu, onde “foi autorizada a abertura das comportas até afundar o lago a 80% da sua capacidade. Com isso, a usina teve a pior geração de eletricidade dos últimos 20 anos, com 25% a menos (2.500 MW médios)”.

A ausência de um planejamento adequado para os reservatórios das usinas hidrelétricas não apenas compromete o abastecimento de energia elétrica no país, como também vai na contramão de uma das nossas maiores vocações: ser um grande produtor de energia limpa.


Quem é Rodrigo Leão?

Rodrigo Leão é pesquisador do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (INEEP) e da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Relacionadas
Supremo Tribunal Federal
Não há dúvidas de que o poder de decisão concentrado exclusivamente nas mãos do Chefe do Executivo sempre levantará desconfiança da população
Supremo Tribunal Federal
Antecipam-se as críticas que inevitavelmente surgirão e com isso ganha-se tempo para amenizá-las
Mudanças fiscais
Os efeitos de médio e longo prazo podem ser perversos: devem afetar diretamente a eficiência, criando desestímulos ao aumento da capacidade produtiva, reduzindo potencial de contratação e criando dificuldades adicionais ao aumento da renda média
Mudanças fiscais
Parece-nos temerário tratar da tributação de dividendos no Brasil sem olhar os números relativos à tributação corporativa, revisitando o sistema fiscal como um todo, como é o caso do PL nº 2.337/2021
Crise hídrica
Não há precedente na experiência internacional de um Estado que esteja se desfazendo de sua principal empresa de energia elétrica às vésperas de uma crise hídrica
Pazuello livre
A proteção a Pazuello traz algumas marcas das atuações (ou falta de) por parte do Exército nos anos recentes: incentivo à insubordinação, corporativismo e atuação política
Inscreva-se na newsletter

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.