colunista Hermínio Bernardo
Produtor e repórter do MyNews
LITERATURA EM FATOS

África do Sul em ebulição

País enfrenta onda de protestos com crise econômica, política e social. Falta de alimentos e combustíveis agrava ainda mais a desigualdade social
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Mais de 200 pessoas já morreram na onda de violência que acontece na África do Sul. O estopim para a atual situação foi a prisão do ex-presidente Jacob Zuma no dia 8 de julho. Ele foi condenado a 15 meses por desacato após não cumprir uma ordem judicial para comparecer ao tribunal e prestar depoimento em um inquérito que apura denúncias de corrupção durante seu mandato (2009 a 2018).

Os protestos expuseram a insatisfação geral da população com a situação econômica e social do país, agravada pela pandemia. A África do Sul é o país mais afetado pela pandemia no continente africano. Lá surgiu uma das variantes que se espalharam pelo mundo e já totaliza 66 mil mortes por covid-19.

Saques foram cometidos em diversos pontos da África do Sul. Foto: redes sociais

Com a crise econômica, os atos bloquearam estradas e portos. Há escassez de alimentos e combustíveis em alguns pontos do país. Supermercados, lojas e depósitos foram saqueados e incendiados. Diante do caos social, alguns hospitais enfrentam falta de insumos e a vacinação precisou ser interrompida.

A África do Sul é um dos países mais desiguais do mundo. Metade da população vive abaixo da linha da pobreza. No primeiro trimestre de 2021, a taxa de desemprego atingiu a marca recorde de 32%.

O presidente Cyril Ramaphosa, que é o sucessor político de Zuma, decidiu enviar tropas federais para ajudar a polícia das províncias para, segundo ele, “restaurar a ordem”.

A desigualdade econômica e social, a situação política e vários outros problemas da sociedade sul-africana são reflexos diretos das décadas de apartheid.

Para falar sobre o tema, as várias biografias da Nelson Mandela são ótimas sugestões, com destaque para “Invictus”, que até ganhou uma adaptação para o cinema. Mas a sugestão literária desta semana é outra.

Em “Desonra”, J. M. Coetzee – Nobel de Literatura em 2003 – retrata as cicatrizes do período de apartheid na sociedade sul-africana. O livro é de 1999, logo após o fim do regime que terminou em 1994. A obra traz as relações sociais e a atmosfera marcada pelas décadas de violência a partir da história de David, um professor universitário.

“Um risco possuir coisas: um carro, um par de sapatos, um maço de cigarros. Coisas insuficientes em circulação, carros, sapatos, cigarros insuficientes. Gente demais, coisas de menos. O que existe tem de estar em circulação, de forma que as pessoas possam ter a chance de ser felizes por um dia. Essa é a teoria; apegar-se à teoria e ao conforto da teoria. Não a maldade humana, apenas um vasto sistema circulatório, para cujo funcionamento piedade e terror são irrelevantes. É assim que se deve ver a vida neste país: em seu aspecto esquemático. Senão se enlouquece.”

Relacionadas
LITERATURA EM FATOS
Independentemente da sua área de estudo ou da sua profissão, você com certeza teve um professor que passou pela sua vida e te marcou
LITERATURA EM FATOS
Não é brincadeira, é crime. E quem decidiu isso foi a Justiça
LITERATURA EM FATOS
O retorno de eventos e atividades econômicas está acontecendo em um momento em que apenas 40% da população está imunizada com as duas doses. Passaporte sanitário garante segurança neste momento
LITERATURA EM FATOS
Missão Inspiration4 leva tripulação civil para órbita da Terra e acirra corrida espacial
LITERATURA EM FATOS
Você com certeza se lembra daquele dia. Com quem estava, onde estava e como recebeu a notícia do ataque terrorista de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos
LITERATURA EM FATOS
Ministro da Educação terá de dar explicações após falas contra alunos com deficiência
Inscreva-se na newsletter

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.