Protestos

Governo da Colômbia envia Exército após mortes em protestos

Ao menos quatro manifestantes morreram em ato contra o governo em Cali. Província decretou toque de recolher
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O presidente da Colômbia, Iván Duque, determinou a mobilização de tropas militares para a região de Cali. Nesta sexta-feira (28), ao menos quatro pessoas morreram em um protesto contra o governo colombiano.

Mais de 7.000 soldados serão enviados para a área. A governadora da província, Clara Luz Roldan, anunciou um toque de recolher a partir das 19h.

Protestos na Colômbia começaram após proposta de reforma tributária. Foto: redes sociais.

Cali, uma das principais cidades do país, tem sido o epicentro das manifestações contra o governo que já duram um mês. No período, o governo afirma que 17 pessoas morreram. Já organizações como a ONG Human Rights Watch fala em 63 mortos.

As manifestações começaram contra uma reforma tributária, mas os manifestantes passaram a fazer novas reivindicações em relação à economia e educação, além de criticarem a repressão policial.

Há negociações entre o governo e os líderes dos protestos, que formaram um comitê por greve gerais. Até o momento, não houve acordo.

Inscreva-se na newsletter
Relacionadas
Quinta Chamada
Neurocientista Suzana Herculano destaca que fuga de cérebros é influenciada por falta de recursos e bolsas não permitem “vida independente”
Geopolítica
Felipe Loureiro destaca que encontro entre o presidente dos EUA e Vladimir Putin pode aparar arestas na relação entre as duas potências nucleares
IMPORTAÇÃO EXCEPCIONAL
A autorização é para quantidades reduzidas de doses da vacina, permitindo o monitoramento e a ação imediata da Agência
Fórum internacional
Coalizão de países mais ricos do mundo reuniu-se no Reino Unido e emitiu comunicado em defesa do multilateralismo
Colonialismo
Berlim e Paris reconheceram sua responsabilidade na morte de milhões de africanos no século XX
VACINA
Seis estados e o Distrito Federal optaram por aguardar a decisão da Anvisa sobre o uso emergencial da vacina russa contra a Covid-19

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.