balão MyNews Investe
Indicações de aplicações financeiras pelos convidados do programa
INCERTEZA

Dólar pode cair mais? Entenda porque risco Brasil deve segurar queda do câmbio

Depois de atingir os R$5,80 em março deste ano, o dólar encerrou agosto aos R$5,17. Para gestor, incerteza política deve segurar baixa maior da moeda
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O cenário externo e as incertezas locais têm gerado um efeito de montanha-russa no dólar. A moeda americana, que em março deste ano encostou nos R$ 5,80, chegou meses depois, em junho, perto dos R$ 4,90. Em agosto, a volatilidade continuou. O dólar comercial – medida para as trocas econômicas – foi aos R$ 5,42. No fechamento do mês, passou a acumular queda mensal de 0,34%, valendo R$ 5,17.

Em entrevista ao MyNews Investe, Vanei Nagem, responsável pela Mesa de Câmbio da Terra Investimentos, explica que a queda recente do dólar foi influenciada principalmente por fatores externos. “Essa melhora nos países em relação a pandemia, com a vacinação e a evolução das economias, fez com que no mundo a moeda desse algum refresco”, explica ele.

Apesar da queda do dólar no mundo, Nagem explica que o movimento no Brasil de baixa poderia ter sido maior. Não foi, segundo ele, pelos riscos políticos e incertezas fiscais, que seguram o valor do câmbio. “Ele vem caindo aliado ao pacote de moedas emergentes, que é o nosso comparativo mais direto. No Brasil, só não caiu mais pelo nosso momento político, com incertezas”, acrescenta.

Para ele, a perspectiva é que o dólar continue pressionado no Brasil nos próximos meses. “Eu acho que a virada de 2021 para 2022, principalmente no decorrer do ano de 2022, vai ser um ano muito difícil para a moeda. Você tem ano de eleição com uma instabilidade muito grande do que pode acontecer, principalmente no mercado externo sobre o Brasil”, diz ele.

Nagem explica que mesmo a alta dos juros, com a taxa básica de juros no país podendo fechar o ano acima dos 7,5%, pode ser insuficiente para levar a uma desvalorização significativa do dólar.

“Quando a gente fala de juros, você fala que aumentar juros costuma diminuir um pouco a pressão no câmbio, mas não tem sido assim aqui por causa do risco do Brasil. Os investidores têm avaliado muito risco no momento, nossa inflação, um pouco de instabilidade, o governo que não tem passado para o mercado externo uma segurança muito grande e essa incerteza política de eleição”, explica.

Sobre a imagem externa do Brasil nesse momento, ele destaca que o cenário é de desconfiança. “A gente faz reuniões diárias [com investidores estrangeiros] e a pergunta que sempre fazem é se existe alguma chance disso [golpe]. Por mais que a gente tente passar uma certeza de que não vai acontecer, o investidor estrangeiro tem muita dúvida sobre o mercado brasileiro hoje”, acrescenta.


Relacionadas
CONSTRUÇÃO CIVIL
Dúvida sobre solidez da Evergrande faz alguns analistas preverem redução na expectativa de crescimento do mercado imobiliário e de construção na China de até 50%
fundo de ações
Apesar do pouco tempo de atividade, fundo de ação já capitaliza uma rentabilidade superior a 7%, mesmo com as recentes quedas da bolsa
APOSENTADORIA
O advogado Flávio Perón explica que é necessário, além da documentação, comprovar uma renda mínima, para morar legalmente em Portugal
inflação
Alta da inflação para classes mais pobres foi impulsionada principalmente pelo grupo de alimentação
BRASIL
Segundo instituição, PIB apresentou segundo mês seguido de alta, mas crescimento está desacelerando. Entre o G-20, Brasil tem o terceiro pior desempenho
inflação
Arnaldo Curvello, sócio-diretor da Galápagos fala sobre os melhores investimentos em tempos de aumento de preços de bens e serviços
Inscreva-se na newsletter

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.