Novos rumos?

Novo ministro no Itamaraty pode colocar Brasil de volta nos trilhos, diz ex-embaixador

Substituto de Ernesto Araújo destacou a crise sanitária, econômica e ambiental em seu discurso de posse
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O novo ministro das Relações Exteriores, Carlos Alberto Franco França, pode colocar a diplomacia brasileira de volta nos trilhos, acredita o diplomata e ex-embaixador Marcos Azambuja.

França tomou posse na terça-feira (6) em evento fechado, sem a participação da imprensa e sem transmissão ao vivo. Em seu discurso, o ministro afirmou a importância do diálogo na sua área e disse ser “um construtor de pontes”. Ele substituirá Ernesto Araújo, defensor da suposta tese de um globalismo e crítico contumaz da China.

Durante o seu pronunciamento, o chanceler destacou três urgências a serem combatidas pelo Governo com o auxílio do Itamaraty: a sanitária, a econômica e a ambiental. Ela também lembrou que o Brasil sempre teve papel relevante no diálogo multilateral como método diplomático.

“Um discurso, de certa maneira, exemplar, porque volta a colocar o Brasil em diálogo com o mundo. O Brasil volta a ter a linguagem que se espera dele: racional, moderada e construtiva. O discurso me deu a melhor impressão e eu desejo que seja o início de um novo ciclo”, diz Azambuja ao MyNews.

Embaixador do Brasil na França e Argentina, Azambuja considera o discurso do novo ministro como “breve, construtivo e que usa a linguagem que a diplomacia brasileira sempre soube empregar”. Ele afirma que está confiante que o Itamaraty volte “aos trilhos” e à racionalidade para lidar com o restante do mundo.

Já o cientista político e professor de relações internacionais da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) Mauricio Santoro destaca que o novo ministro fez um discurso positivo, mas tem dúvidas quanto à possibilidade de França colocar em prática o que foi dito.

“Combater a pandemia, modernizar a economia fazendo o país voltar a crescer e lidar com a questão climática. Mas, há uma distância grande entre este discurso que foi muito bem escrito e o que é, hoje, a conjuntura política do país. E a grande pergunta é se o ministro, que não tem força política própria, teria condições de, realmente, implementar essa mudança na diplomacia ou se ele estará muito suscetível àquilo que o presidente e seus filhos querem fazer”.

Inscreva-se na newsletter
Relacionadas
Entrave
Paulo Roberto Almeida questiona as chances de um acordo entre o bloco europeu e o Mercosul na atual conjuntura
Pandemia
Edinho Silva diz que, sem vacina, restringir a circulação de pessoas é o único caminho para deter a covid-19
Quarta Chamada
Ex-presidenciável afirma que frente ampla não necessariamente significa uma candidatura única no primeiro turno
LULA ELEGÍVEL?
Os 11 ministros vão analisar recursos sobre a decisão de Fachin que anulou condenações do ex-presidente
Diplomacia
Luiz Fernando Serra defende tese bolsonarista de suposto “tratamento precoce” e critica a imprensa
Crime organizado
Vereador já foi citado em estudo sobre grupos paramilitares e seu pai, ex-deputado estadual, pode ter sido líder da Liga da Justiça

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.