Exército

Para cientista político, arquivamento de caso Pazuello não fortalece Bolsonaro

O Exército publicou uma nota em que diz que a conclusão é de que o General Pazuello não participou de ato político e que, por isso, o procedimento seria arquivado
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O Exército levou onze dias para analisar a situação do General Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde. No dia 23 de maio, o atual secretário de Estudos Estratégicos da Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República participou de um ato político: junto com o presidente Jair Bolsonaro, subiu no palanque sem máscara e discursou. Segundo o regimento interno, oficiais da ativa não podem participar de atos políticos e um procedimento interno foi aberto para investigar a conduta do militar.

Na quinta-feira (3) o Exército publicou uma nota em que diz que a conclusão é de que o General Pazuello não participou de ato político e que, por isso, o procedimento seria arquivado. Isso significa que Bolsonaro tem o Exército no bolso? Para o cientista político da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Rodrigo Prando, a resposta é não. Ele avalia que a decisão dos militares não dá mais força para o presidente, afinal, “aquilo que pode, em um primeiro momento, te fortalecer, no conjunto da obra enfraquece. Porque quando o presidente causa um mal-estar em uma instituição como as Forças Armadas, e em especial o Exército, isso não fortalece ninguém”.

Prando lembra que Bolsonaro já tem um histórico complexo com o Exército, foi desligado depois de um episódio de indisciplina, e que o caso Pazuello pode ser mais uma rachadura nessa relação.

O cientista político também avalia que, apesar de tentar demonstrar força, Bolsonaro está em um momento de fragilidade e isso ficou mais claro a partir do pronunciamento feito horas depois de o governador de São Paulo, João Doria, anunciar que vai vacinar toda a população adulta do estado até o fim de outubro. Segundo Prando, “o presidente se encontra fragilizado por causa da situação econômica, do atraso da vacina, da CPI e, por fim, da presença do ex-presidente Lula como potencial candidato para 2022. A situação de Bolsonaro não é nada confortável e ele sabe disso”.

Inscreva-se na newsletter
Relacionadas
Direitos Humanos
Juliana de Paula Batista diz que CCJ tenta aprovar projeto de lei “na marra, sem nenhuma discussão”
Mudança
Alvo de duas ações no STF, ministro pediu para deixar a pasta nesta quarta-feira alegando motivos familiares
INVESTIGAÇÃO
À época ministro da Justiça, Mendonça seria o responsável por repassar eventual queixa à Polícia Federal
LISTA TRÍPLICE DA PGR
Em decisão inédita, membros do Ministério Público Federal escolhem uma mulher para liderar a lista
ATUAÇÃO DO GOVERNO
Em entrevista à GloboNews, vice-presidente diz que faltou uma “campanha de esclarecimento firme”
Almoço do MyNews
Emerson Kapaz, que também foi deputado federal, diz que venda da estatal vai deixar o Brasil livre de um “gigante” que suga “recursos públicos”

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.