VOTO IMPRESSO

Participação da PF em live de Bolsonaro acendeu alerta em ministros do STF

Possível presença do delegado-geral da PF, que não se concretizou, gerou receio de politização da corporação no debate sobre voto impresso
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A possível presença do delegado-geral da Polícia Federal, Paulo Maiurino, na live desta semana do presidente Jair Bolsonaro acendeu um alerta em ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). Na transmissão ao vivo desta quinta-feira, Bolsonaro prometeu apresentar provas de que as eleições teriam sido fraudadas. O que apresentou, no entanto, foram apenas “indícios”, segundo ele próprio.

Até a tarde de quinta (29), era esperada a participação de Maiurino no evento. Entre ministros do Supremo, a avaliação até então era de que a entrada da Polícia Federal no debate já tão politizado do voto impresso representaria uma ameaça à autonomia institucional da corporação. Poderia evidenciar, também, um enviezamento das investigações sobre a urna eletrônica, o que seria preocupante, tendo em vista que a PF é uma das instituições que monitora a segurança das eleições.

Ao final , Maiurino não compareceu à live. Quem estava presente era o ministro da Justiça, Anderson Torres, que leu relatórios da corporação sobre a segurança da urna, segundo ele, produzidos desde 2016 a pedido do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Torres afirmou que a PF recomenda desde então a adoção do voto impresso como forma de auditar as eleições.

Risco de colapso eleitoral

Em entrevista ao Café do MyNews de quinta-feira (29), o diretor-geral do Instituto Liberdade Digital, Diogo Rais, demonstrou preocupação com a pressa em que o tema do voto impresso tem sido abordada. Segundo ele, implementar essa modalidade de urna já para 2022 pode levar o país ao “colapso eleitoral” “Implantar uma mudança tão radical em 100% da eleição brasileira, com mais de 140 milhões de eleitores, de forma tão rápida pra uma próxima eleição, seria adequado?”, questionou o especialista em Direito Eleitoral e Tecnologia.

Assista à íntegra do Café do MyNews, com apresentação de Juliana Braga, no Canal MyNews
Relacionadas
ASSEMBLEIA GERAL DA ONU
Bolsonaro pretende uma agenda positiva, mas é o único líder do G-20 que não se vacinou contra a Covid-19. Primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, aconselhou o presidente brasileiro a tomar a vacina Oxford/AstraZeneca
DE OLHO EM 2022
Com queda do engajamento nas redes bolsonaristas desde o fim de 2020, filhos de Jair Bolsonaro buscam empresa estrangeira para promover disparos em massa
SUSPENSÃO DA VACINAÇÃO
Decisão foi acordada em reunião nesta sexta-feira, após o ministro ter suspendido a vacinação em adolescentes sem consultar a Câmara Técnica da pasta
CPI nas ruas
Operação foi a pedido da cúpula da CPI da Pandemia, e mira documentos que possam esclarecer o contrato de R$1,61 bilhão assinado pelo governo para aquisição da Covaxin
OPINIÃO
A Câmara é um órgão colegiado, mas o seu presidente tem o poder de, sozinho, decidir se admite ou não que as petições relatando crimes de responsabilidade serão apreciadas pelas comissões pertinentes e pelo Plenário
COVID-19
CPI da Pandemia considerou a ausência como uma “ação protelatória de má-fé”. Reportagem revela que Prevent Senior teria ocultado mortes em estudo sem autorização
Inscreva-se na newsletter

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.