EFEITO LULA

Zequinha Marinho: apesar dos pesares, as cartas estão na mesa

Uma sociedade que se pretende democrática precisa saber conviver neste cenário multipolar
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Justamente no pior momento da pandemia do novo coronavírus, em que se faz urgente a união para encontrarmos juntos soluções viáveis para salvar vidas e acelerar o processo de imunização da população brasileira, o país se volta para a antecipação das eleições de 2022. Não que este seja um assunto menor ou menos importante, contudo, os problemas já postos demandam por demais de todos nós. Precisa-se buscar a luz no fim do túnel, cuidar do sistema de saúde colapsado e do drama diário de milhares de brasileiros que perdem os seus para essa terrível doença. É necessário lutar por aqueles que estão sem tubo de oxigênio para respirar e por aqueles que precisam do auxílio emergencial para comer. Enfim, são tantos desafios que me preocupa a discussão eleitoral numa hora dessas.

Zequinha Marinho: apesar dos pesares, as cartas estão na mesa. Foto: Pedro França/Agência Senado
Zequinha Marinho: apesar dos pesares, as cartas estão na mesa. Foto: Pedro França/Agência Senado

A inserção do nome do ex-presidente Lula nas pesquisas eleitorais não ajudará em nada, por exemplo, o seu João, lá no município de Senador José Porfírio. Esta cidade paraense se depara com um desafio seríssimo que até agora não foi resolvido. A regularização fundiária precisa ser enfrentada como forma de superar o engessamento provocado por uma política desastrosa que só nos trouxe conflitos na área rural. Potencialmente pujante, com uma força muito interessante para atração de investimentos na área florestal, o município está suscetível a um subdesenvolvimento crônico. Soma-se a isso, a pandemia, a retração econômica, a crise na saúde. Como discutir agora as eleições?

A meu ver, essa discussão extemporânea só vem para desnudar e apresentar os candidatos como realmente o são. É a esquerda popular, mostrando sua cara e com ela tudo aquilo que é defendido por esse espectro político. De outro lado, teremos a direita trabalhando suas bandeiras junto ao eleitorado, nesse Fla X Flu eleitoral. Há quem atribua à polarização política a causa para a intolerância e abstenção da sociedade. Não entendo dessa forma. Compreendo que ao jogar luz nos candidatos, permitimos que eles se mostrem como verdadeiramente o são, estimulando uma cidadania participativa, menos vulnerável a discursos oportunistas e do estelionato eleitoral.

Salvadores da pátria, heróis e aqueles que costumam pegar carona em movimentos passageiros de nossa sociedade tendem a se retrair no atual espectro polarizado. Entre Bolsonaro e Lula, os demais pretensos candidatos à Presidência da República terão que descer do muro, formando vias alternativas para opção de voto do eleitorado brasileiro.

Do lado da sociedade, dos eleitores, caberá buscar o entendimento em meio as distintas tendências políticas. Uma sociedade que se pretende democrática precisa saber conviver neste cenário multipolar, sem se deixar contaminar pelo ódio e por discursos generalistas nutridos apenas pelo senso comum. 

Já que – mesmo em tempos tão sensíveis, com a população duramente abalada por todos os efeitos nocivos dessa pandemia – nos impõem antecipar as discussões eleitorais de 2022, que esse debate venha para posicionar as peças no tabuleiro, sem lapidações marqueteiras, sofismas e estratégias desleais para ganhar o jogo. As cartas estão na mesa.


Quem é Zequinha Marinho

Zequinha Marinho é senador pelo estado do Pará. Correligionário do Partido Social Cristão (PSC), já foi deputado estadual, federal e, antes de ocupar a cadeira no Senado, esteve como vice-governador do Pará.

Inscreva-se na newsletter
Relacionadas
COMBATE À FOME
Em Paraisópolis, produzimos e distribuímos mais de 300 mil máscaras e 80 mil kits de higiene e criamos 520 leitos
COMBATE À FOME
Sem as ações de instituições como a Redes da Maré, a crise seria ainda mais devastadora para os mais pobres
LAVA JATO
A conversa do juiz com as partes é normal, porém, não é permitido o conluio para a prática de atos processuais
LAVA JATO
Os procuradores e o juiz à frente da Operação Lava Jato fizeram um trabalho sujo
SAÚDE
Telemedicina não é consulta por Skype ou Zoom nem orientação por WhatsApp
SAÚDE
Realidade em países como Portugal, Israel, Estados Unidos, a telessaúde não tinha amparo legal no Brasil antes da pandemia

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.