100 DIAS DE BIDEN

“Desafios de Biden foram cumpridos nos 100 dias, mas vida não vai ser tão fácil no futuro”, avalia economista

Otaviano Canuto faz balanço dos primeiros 100 dias de governo Biden e avalia próximos desafios do democrata na economia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O balanço dos primeiros 100 dias do presidente Joe Biden nos Estados Unidos é positivo, mas o governo do democrata ainda tem desafios importantes a serem cumpridos. Essa é a avaliação de Otaviano Canuto, membro sênior do Policy Center for the New South.

“As metas para os primeiros 100 dias foram plenamente atingidas. Biden propôs acelerar o processo de recuperação econômica mediante a aceleração da vacinação. Nesse ponto, as metas inclusive foram superadas”, avalia o economista, que é ex-diretor do Banco Mundial e do FMI. 

Em relação a vacinação, antes mesmo de assumir a Casa Branca, Biden prometia imunizar 100 milhões de americanos nos primeiros 100 dias de governo. Até esta quinta-feira (29), o país contabilizava 235 milhões de vacinas aplicadas. O próximo obstáculo, neste caso, é manter o ritmo de vacinação que vem caindo, com resistência de parte da população em tomar o imunizante.

Para a economia, uma das maiores vitórias do democrata foi a aprovação do pacote de US$1,9 trilhão para combater os efeitos da crise da pandemia – com programas de proteção de emprego e renda, além do auxílio monetário destinado a conter o avanço da covid-19.

O democrata tem o desafio, agora, de aprovar dois pacotes econômicos que dependem do Congresso. O primeiro que amplia a rede de proteção social no país, com custo de US$1,8 trilhão, e o segundo que propõe investimentos de US$ 2,3 trilhões em infraestrutura, a serem acompanhados de aumento de impostos para empresas. 

“A corrida de Biden é a de aproveitar a oportunidade da configuração mais favorável no Congresso para passar o que der”, avalia o economista, que é também membro sênior não-residente do Brookings Institute e diretor do Center for Macroeconomics and Development em Washington.

Canuto destaca também que, entre os obstáculos de Biden para seus planos econômicos, há a resistência de parte do próprio Partido Democrata ao pacote para infraestrutura, além da contrariedade dos Republicanos à ideia de aumentar impostos das empresas para financiar o projeto trilionário de infraestrutura.

O economista lembra que o ex-vice-presidente de Barack Obama e ex-senador tem por enquanto a vantagem de um placar favorável no Congresso, mesmo que por uma margem pequena. O cenário pode mudar, no entanto, em 2022, quando acontecem as eleições legislativas nos Estados Unidos. “Os desafios de Biden foram bem cumpridos nos primeiros 100 dias, mas a vida não vai ser tão fácil no futuro a seguir”, diz Canuto.

Inscreva-se na newsletter
Relacionadas
Conteúdo patrocinado
Existem alternativas ao sistema público de previdência, confira no Guia do Cooperativismo Financeiro do Sicoob
CORTE NO ORÇAMENTO
Com corte no orçamento, universidades podem paralisar atividades no segundo semestre. Segundo Andifes, nenhuma instituição chega ao fim do ano com verba atual
Meio Ambiente
Desmatamento afeta regime de chuvas, o que prejudica produtividade e causa prejuízos. Estudo brasileiro foi publicado na “Nature Communications”
Comércio
Pesquisa mostra que 19% vão fazer PIX para suas mães. Itens mais citados foram roupas e acessórios
Teorias da conspiração
O deputado federal Fausto Pinato questiona a sanidade mental do presidente e diz que o Brasil está se isolando do mundo
TAXA DE JUROS
Elevação de 0,75 ponto percentual já era esperada pelo mercado. Alta foi motivada pela inflação

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.