PRIVATIZAÇÃO

Leilão da Cedae supera previsões e arrecada R$ 22,6 bilhões

Expectativa inicial era de que valor fosse de R$ 10,6 bilhões; venda contou com a presença de Bolsonaro
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro, a Cedae, foi leiloada por R$ 22,6 bilhões nesta sexta-feira (30). A venda, que aconteceu na Bolsa de Valores de São Paulo, incluiu três dos quatro blocos ofertados.

O valor superou em 114% a previsão de arrecadação da privatização, que era de R$ 10,6 bilhões.

Leilão da Cedae na Bolsa de Valores de São Paulo. Foto: Divulgação/B3

O leilão contou com a presença do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), dos ministros Paulo Guedes (Economia), Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional) e Luiz Eduardo Ramos (Casa Civil), além do governador em exercício do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PSC). A comitiva de Bolsonaro foi recebida com manifestantes no centro de São Paulo.

Na privatização, 35 municípios, incluindo a capital fluminense foram divididos em quatro blocos para concessão de 35 anos. Pelas regras, os vencedores do leilão devem universalizar os serviços até 2033 e investir R$ 30 bilhões.

O deputado estadual Alexandre Freitas (NOVO/RJ) defendeu a privatização para melhorar a qualidade do serviço.

“O saneamento básico vem sendo prejudicado há anos pela incompetência e ineficiência da estatal. É uma estatal que há anos não investe em absolutamente nada, degrada o meio ambiente e prejudica toda a população do Estado do Rio”, afirmou.

Já a deputada estadual Dani Monteiro (PSOL/RJ) criticou a privatização.

“A Cedae é hoje o maior bem público do Estado do Rio de Janeiro. Ela deve ser valorizada e estar no centro da nossa reorganização e reestruturação do desenvolvimento econômico do Estado, e não sendo fatiada e privatizada na parte que é mais interessante para aqueles que querem lucrar sobre um direito humano fundamental”, rebateu.

O professor de finanças e controle gerencial do Coppead/UFRJ Rodrigo Leite explica que é necessário fiscalizar a atuação das empresas vencedoras do leilão.

“A gente tem aguardar agora para saber se essas empresas vão realmente cumprir com os investimentos como elas têm que cumprir. As agências reguladoras de cada Estado vão ter de assumir um papel que não assumiram antes, que é a fiscalização”, disse.

Inscreva-se na newsletter
Relacionadas
Conteúdo patrocinado
Existem alternativas ao sistema público de previdência, confira no Guia do Cooperativismo Financeiro do Sicoob
CORTE NO ORÇAMENTO
Com corte no orçamento, universidades podem paralisar atividades no segundo semestre. Segundo Andifes, nenhuma instituição chega ao fim do ano com verba atual
Meio Ambiente
Desmatamento afeta regime de chuvas, o que prejudica produtividade e causa prejuízos. Estudo brasileiro foi publicado na “Nature Communications”
Comércio
Pesquisa mostra que 19% vão fazer PIX para suas mães. Itens mais citados foram roupas e acessórios
Teorias da conspiração
O deputado federal Fausto Pinato questiona a sanidade mental do presidente e diz que o Brasil está se isolando do mundo
TAXA DE JUROS
Elevação de 0,75 ponto percentual já era esperada pelo mercado. Alta foi motivada pela inflação

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.