ANÁLISE

Por que a alta do PIB não se reflete em mais emprego e renda?

Para economistas, resultado puxado pela alta das commodities é positivo, mas não melhora quadro de desemprego e de renda
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Com alta de 1,2%, o resultado do PIB no primeiro trimestre surpreendeu analistas que esperavam o crescimento menor  da economia brasileira neste início de ano. A boa notícia para a atividade econômica, no entanto, pode não refletir na queda do desemprego e no aumento da renda das famílias. 

“É um dado positivo. Agora, não é de se esperar que essa dinâmica se repita por muito tempo”, avalia o economista-chefe da Nova Futura Investimentos, Pedro Paulo Silveira. Ele destaca que o resultado divulgado pelo IBGE traz a influência predominante do desempenho do agronegócio e das atividades extrativas.  “Essas atividades têm sustentado o crescimento econômico, enquanto as atividades mais urbanas continuam prejudicadas”, diz.

“A minha preocupação básica é que os setores que respondem às commodities têm uma forma de impactar a economia que é boa, mas é limitada. Você pode ter esses setores crescendo muito sem que você gere muito emprego, sem que você jogue mais renda”, afirma Pedro Paulo. Ele explica que essa dinâmica acontece por serem os setores ligados a commodities altamente produtivos, com alta tecnologia e que, segundo ele, “produzem muito PIB com pouca gente”.

Essa é também a avaliação do economista Paulo Dutra, coordenador de Economia da FAAP e professor do Mackenzie. “Quando a gente olha o setor de serviços, ele está praticamente zerado. Do lado da demanda, tanto o consumo das famílias quanto o consumo do governo está negativo”, explica Dutra.

Os dados divulgados hoje pelo IBGE mostram que enquanto a agropecuária cresceu 5,7% e a indústria extrativa subiu 3,2% no primeiro trimestre, o setor de serviços teve alta de 0,4%. Na comparação anual, o setor ainda acumula queda, de 0,8%. Do ponto de vista da demanda, o consumo das famílias recuou 0,1%, enquanto o consumo do governo teve retração de 0,8%.

“Esse crescimento do PIB não gera a quantidade de empregos que a gente precisa. O que precisamos para que o emprego volte? Vacinação em massa”, analisa Paulo Dutra. Ele lembra que somente a imunização deve levar a retomada completa do setor de serviços, que mais emprega no país e que representa mais de 70% do PIB. Atividades como as de bares, restaurantes e shows, ele lembra, só irão retomar com potência após o controle da pandemia.

Inscreva-se na newsletter
Relacionadas
APROVAÇÃO RELÂMPAGO
Com apoio do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), projeto foi aprovado com larga maioria e segue para o Senado
MENOS ESTIMULO
Diante da pressão inflacionária, Banco Central repete a dose de aumento de 0,75 na Selic e sinaliza nível “neutro” para juros
BENEFÍCIO
O abono salarial, que equivale a um salário mínimo e é pago aos trabalhadores de carteira assinada, pode ser extinto
CRISE HÍDRICA
Com baixo nível dos reservatórios, diretor-geral da Agência sinaliza ajuste no valor da bandeira tarifária até o fim de junho.
EFEITOS DA PANDEMIA
Estudo da FGV Social mostra desigualdade em nível histórico no primeiro trimestre de 2021, enquanto renda média dos brasileiros despenca
Crise sanitária
Ao menos 52 casos de covid já foram registrados no torneio que começou neste domingo

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.