colunista Francisco Saboya
Superintendente do Sebrae Pernambuco
COLUNA – FRANCISCO SABOYA

Redes Sociais e o Direito de Mentir

Sob pretexto de preservar a liberdade de opinião, a ala mais antidemocrática da política nacional deseja um passe livre para a mentira
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Atribui-se a Ésquilo, ao senador americano Hiram Johnson, até a Churchill eu já vi aqui pela internet, a frase de que numa guerra a primeira vítima é a verdade. Não importa a autoria. A frase é boa demais para ser desperdiçada. O que importa é emplacar a sua narrativa antes que outros o façam. Como as redes sociais são um verdadeiro campo de batalha, vale o dito de origem disputada. Aquela esperança de uma rede mundial de fraternidade entre pessoas foi pro espaço. E a verdade foi junto com ela. A fase ingênua ficou pra trás, e hoje as redes sociais mal servem para reconectar amigos antigos, marcar encontros, compartilhar fotos dos filhos, dos pets e daqueles pratos desajeitados de restaurantes da farra de ontem [fotografar comida é uma arte].

No ambiente hostil em que se transformaram, não sobra mais muito espaço para diálogo. As redes sociais foram capturadas pela infantaria do ódio à serviço do extremismo ideológico com a ajuda de robôs e de algoritmos de retenção de audiência alegremente disponibilizados pelos grandes provedores de serviços. A dinâmica das redes ajudou a cristalizar grupos de interesse antagônicos que se fecham, se protegem e se preservam como feudos. Os novos suseranos digitais articulam sua rede de vassalagem entre recalcados e paranoicos dispostos a viver em bolhas-feudos e empreender uma guerra santa sem fim contra a civilização moderna, disparando posts, tweets e memes carregados de inverdades e desinformação. A Internet das redes sociais é uma idade média sem cavaleiros, mas com cavalos de sobra. 

Voltando ao tema, semana passada o país se deu conta de que tem agentes públicos (ministros, deputados, desembargadores…) defendendo a legitimação da mentira nas redes sociais. Isso mesmo. Numa ação coordenada e ágil em resposta ao banimento de Trump e também de blogs nativos, e sentindo a ameaça que isso representa para a sustentabilidade, inclusive financeira, de seus canais-bolhas na mídia digital, esses agentes abriram duas frentes para enquadrar as bigtechs.

Uma no plano internacional, conduzida pelo Itamaraty – pegando carona em um processo que aliás já está em curso na Comissão Europeia e outros fóruns – e outra no plano interno, através de movimento articulado por parlamentares da chamada ala ideológica do PSL. A primeira tende a dar em nada. Os protagonistas brasileiros não possuem credibilidade nesses fóruns e suas posições devem ser ignoradas. Já a segunda pode dar em algo, devido ao maior alinhamento da atual mesa diretora da Câmara dos Deputados com o governo federal, patrono das iniciativas.

Mas o que esses projetos propõem exatamente? Eles visam basicamente proibir a remoção, por parte dos provedores, de postagens consideradas falsas, hostis, preconceituosas, sediciosas, antidemocráticas. Vai além, e veda até mesmo a moderação de conteúdos através da rotulação, mecanismo que alerta para o risco do consumo daquela informação, feito cigarro e bebida.

É uma proposição insidiosa, partindo de quem vem. Sob pretexto de preservar a liberdade de opinião – condição inegociável nas democracias modernas – a ala mais antidemocrática da política nacional deseja um passe livre para a mentira e, através de sua legitimação, golpear as instituições que dificultam seu projeto autoritário. (Aqui um parênteses: ainda ontem, o presidente da República apresentou uma solução simples e “democrática” para a questão das fake news: fechar os veículos de imprensa, que, em sua opinião livremente manifesta, são seus principais propagadores).

Negar a verdade factual é apenas mentir. Simples. E não deve se confundir com discordar ou ter opinião divergente dos outros e defendê-la de maneira aberta. Um conteúdo sabidamente falso deve ser removido. Um conteúdo duvidoso, sinalizado. Um propagador contumaz de mentiras, banido das redes.

As redes sociais foram capturadas pela infantaria do ódio à serviço do extremismo ideológico (Foto: Pixabay)

E não porque os grandes provedores podem fazer o que quiserem, já que são entes privados. Esse raciocínio é equivocado, pois a natureza das atividades que exercem, seu alcance e impacto são de interesse público e, como tal, possuem uma função social que prevalece sobre qualquer outra. Trata-se de proteger a sociedade de uma legião que explora com competência as fendas da democracia para sufocá-la.

O que resta é uma sociedade na encruzilhada. Conhecimento e velocidade são os recursos mais valiosos na nova sociedade e base para estratégias exitosas. Esperar pela justiça comum, com sua lerdeza proverbial, pode ser tarde demais. Deixar a decisão sobre o que pode ou não ser comunicado nas mãos das provedoras é uma aberração. A saída parece ser mesmo uma curadoria de conteúdos plural, como já foi falado aqui nesse espaço em colunas anteriores. Assim a gente foge do risco de ter que optar entre o cruzado Ernesto e o czar Zuck – que parecem igualmente se alimentar de conteúdos duvidosos – dizendo não ao direito de mentir.

Relacionadas
inovação
As cidades hoje têm que ser mais competitivas segundo os parâmetros da sociedade do conhecimento. Para tal, precisam ser atrativas para pessoas de fora e para capitais financeiros de risco conectados com a nova economia
NEGÓCIOS
O distanciamento forçado revelou novas possibilidades para o mundo dos negócios
Reduzir a assimetria tecnológica é a condição de sobrevivência e o maior desafio dos pequenos negócios hoje
Líderes mundiais estão preocupados com o poder econômico e político das plataformas online
Coluna – Francisco Saboya
Quebrar o poder dos monopólios globais das bigtechs na internet é uma das condições de sobrevivência da economia de mercado e da própria democracia
Coluna – Francisco Saboya
O despertar para a transformação digital nem sempre vem acompanhado da devida compreensão do fenômeno

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.