colunista Juliana Braga
Jornalista do MyNews
Campanha presidencial

O último golpe de Ciro que doeu em Lula

Petistas minimizam a parceria entre Ciro Gomes e João Santana, mas a dobradinha incomodou Lula
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A parceria firmada entre o ex-ministro Ciro Gomes e o marqueteiro João Santana deixou um ex-aliado de ambos incomodado: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Lula gosta de Santana, gosta das produções dele e acredita que ele soube fazer uma avaliação muito precisa do partido e do cenário em 2002, quando Lula se elegeu pela primeira vez. Agora Santana está ajudando Ciro e já produziu algumas peças.

Ciro Gomes ao lado do publicitário João Santana, responsável pelas ações de marketing e comunicação do PDT.
Ciro Gomes ao lado do publicitário João Santana, responsável pelas ações de marketing e comunicação do PDT. Foto: Reprodução (Redes Sociais).

Em entrevista ao Café do MyNews em maio, Ciro criticou a repaginação feita pelo marqueteiro no petista. Na época, Lula havia dado uma entrevista na qual censurava o temperamento do pedetista e o chamava de “professor de Deus”.  “É muito engraçado o Lula. O Lula passou anos com a carranca dele próprio e de repente contratou o marqueteiro, criou uma versão do Lulinha Paz e Amor e ele agora dá lição de moderação. Isso é ótimo”, rebateu Ciro à época.

João Santana foi o marqueteiro responsável pelas campanhas petistas presidenciais desde 2006. Em 2002, na época do “Lulinha Paz e Amor”, a campanha era coordenada por Duda Mendonça, mas João Santana integrava a equipe.

Petistas tentam minimizar o potencial da nova dobradinha. Um deles afirma que o ex-ministro terá dificuldade em criar a sua versão de Cirinho Paz e Amor e ter os mesmos resultados que Lula em 2002 por dois motivos. O primeiro é que, à época, o ex-presidente estava em uma trajetória ascendente nas pesquisas de intenção de voto e Ciro, hoje, está num platô. Outro motivo é o fato de Ciro não polarizar com ninguém. Lula ocupou o polo antagonista ao então presidente Fernando Henrique Cardoso. 

Ainda assim, interlocutores do ex-presidente destacam que a parceria entre Santana e Ciro não está firmada até as eleições de 2022. “É algo que o PDT gostaria de levar até lá. Mas quem sabe não rola um match com o PT de novo?”, brinca um aliado de Lula.

Inscreva-se na newsletter
Relacionadas
Congresso nacional
Texto prevê dispensa de licença ambiental para uma série de atividades e é criticado pelo Greenpeace
Cpi da Pandemia
Advocacia-Geral da União (AGU) apresenta habeas corpus preventivo ao Supremo em favor do ex-ministro da Saúde
Entrevista – Alessandro Molon
Durante o programa Café do MyNews desta quinta-feira, o deputado Alessandro Molon falou sobre o uso dos R$ 3 bilhões do orçamento paralelo
CPI DA PANDEMIA
Murillo afirma na CPI da Pandemia que três ofertas de imunizantes foram deixadas sem resposta e que 1,5 milhão de doses poderiam ter sido entregues em 2020
Pesquisa Datafolha
Segundo o Datafolha, 35% dos evangélicos votariam em Lula no 1º turno e 34% em Bolsonaro, petista também avança entre empresários
Quarta Chamada
Criminalista avalia que não é possível ser “garantista de ocasião” e que encaminhamento ao MP foi a medida correta

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.