colunista Juliana Braga
Jornalista do MyNews
Fux decide

PGR pede para plenário rever decisão sobre suspeição de Moro

Por 3 votos a 2, STF decidiu que ex-juiz não foi imparcial em processo contra Lula; fontes do Supremo falam em "tapetão"
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A Procuradoria-Geral da República (PGR) acaba de protocolar um pedido no Supremo Tribunal Federal (STF) para levar o caso de suspeição do ex-ministro Sergio Moro para o plenário da Corte. Por 3 votos a 2, a Segunda Turma entendeu que o ex-juiz de Curitiba foi parcial em suas decisões no processo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

A suspeição de Moro foi levada a julgamento depois de o ministro Edson Fachin anular as decisões referentes a Lula por entender que a força-tarefa da Lava Jato no Paraná não tinha competência para analisar os fatos. O despacho foi uma estratégia para tornar sem objeto a suspeição de Moro e, assim, tentar evitar a anulação de outros processos, envolvendo outros réus. O ministro Gilmar Mendes, que tinha pedido vista da suspeição, decidiu pautar o assunto novamente.

Nesta terça-feira (23), em uma sessão tensa, o ministro Kassio Nunes votou pela imparcialidade de Moro. Argumentou que as supostas mensagens coletadas na Operação Spoofing não poderiam ser usadas como prova, por serem fruto de ato criminoso e não terem passado por perícia. A ministra Cármen Lúcia, no entanto, alterou o seu voto, dando maioria para considerar Moro parcial.

Cabe agora ao presidente do STF, Luiz Fux, da ala lavajatista da Corte, decidir se atende ao pedido da PGR para levar o julgamento ao plenário. Em tese, não há previsão para se levar ao plenário um julgamento já encerrado na Turma. Seria uma forma de rever a decisão no “tapetão”, de acordo com fontes do Supremo.

Inscreva-se na newsletter
Relacionadas
INVESTIGAÇÃO
À época ministro da Justiça, Mendonça seria o responsável por repassar eventual queixa à Polícia Federal
2022
Renato Pereira, contratado por Freixo, fez delação premiada que baseou denúncia contra prefeito do Rio
Caso Pazuello
Estratégia já foi usada em outros momentos de agitações e visa a evitar uma escalada da crise nos quartéis
CPI DA PANDEMIA
Randolfe Rodrigues quer ouvir o presidente da CBF sobre quais são os protocolos de segurança do torneio rejeitado por Argentina e Colômbia
Processo disciplinar
Solução que está sendo construída no Exército prevê advertência sem a ida do general para a reserva, para evitar ataque da CPI
Dados negados
Desde o início da pandemia, Bolsonaro esteve em estabelecimentos comerciais e provocou diversas aglomerações; Gabinete fala em “agenda pessoal”

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.