Vacinas

200 milhões da Pfizer em 2021

Com apenas um milhão de doses do imunizante em solo brasileiro e na expectativa pelo restante do primeiro contrato, Queiroga afirma estar prestes a fechar mais 100 milhões
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O Ministro da Saúde Marcelo Queiroga anunciou nesta segunda-feira (03), durante um evento com empresários paulistas, que o governo federal está prestes a fechar um novo acordo com a Pfizer, farmacêutica norte-americana. Segundo Queiroga, o contrato está “na iminência” de fechar e prevê a compra de mais 100 milhões de doses de vacinas contra covid-19 – com a liberação de 35 milhões só em outubro.

Ministério da Saúde afirma que receberá novos lotes da vacina fabricada pela farmacêutica Pfizer.
Ministério da Saúde afirma que receberá novos lotes da vacina fabricada pela farmacêutica Pfizer. Foto: Marco Varch (Flickr).

Este seria o segundo acordo com o laboratório: o primeiro prevê a aquisição de 100 milhões de doses do imunizante até setembro, sendo que o primeiro lote de um milhão chegou ao Brasil na última quinta-feira (29). Nesta segunda-feira, algumas doses desta remessa da Pfizer começaram a chegar nas capitais brasileiras e, por orientação do Ministério da Saúde, elas devem ficar restritas às 27 capitais. Isso porque o imunizante precisa ser armazenado em caixas com temperaturas entre -25°C e -15°C por, no máximo, 14 dias. E ao chegarem às salas de vacinação, as doses devem ser mantidas a uma temperatura que varia entre 2°C e 8°C, e precisam ser aplicadas na população em um período de até cinco dias.

Outra recomendação da pasta é que a vacinação seja feita em unidades de saúde que possuam câmaras refrigeradas cadastradas na Anvisa. O intervalo entre a aplicação da primeira e da segunda doses do imunizante, considerado seguro pelo Ministério da Saúde, é de 12 semanas (três meses). Já a bula do fabricante diz que ele deve ser aplicado em um “intervalo maior ou igual a 21 dias entre a primeira e a segunda dose”.

Deste primeiro lote de um milhão que está em solo brasileiro, 499.590 doses foram distribuídos aos estados para aplicação da primeira dose. São prioridade gestantes, mulheres que acabaram de ter filho, pessoas com deficiência permanente ou com alguma doença preexistente.

O restante das vacinas deve ser entregue na próxima semana.

O imunizante da Pfizer foi o primeiro a receber registro definitivo no país, em fevereiro. O ministro Queiroga afirmou que espera vacinar metade da população com o imunizante da Pfizer em 2021.

Inscreva-se na newsletter
Relacionadas
Literatura
Mitologia presente nas mais diversas culturas, o roubo do fogo é elemento central na nova obra de Mussa, publicado em 17 países
Direitos Humanos
Organização faz parte de grupo 61 entidades que enviaram carta à OCDE apontando políticas “incompatíveis” do Brasil
Faixa de Gaza
Região é palco de intensos embates, que já ocasionaram dezenas de mortes e deixaram centenas de feridos
Chacina do Jacarezinho
Palco de um conflito social estruturado desde os tempos da escravidão, a favela do Jacarezinho vive hoje, talvez, seu pior momento
Pandemia
Durante Audiência Pública no Senado, líderes estaduais pedem celeridade na aquisição de vacinas contra o coronavírus
8 mortes confirmadas
Mais de 20 pessoas ficaram feridas e foram hospitalizadas. Suspeito de 19 anos foi detido pela polícia e uma arma foi apreendida

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.