PARALIMPÍADAS

Em bela cerimônia de encerramento, Paralimpíada de Tóquio celebra a diversidade

Campanha brasileira quebra recorde de ouros, iguala total de medalhas e melhor posição no quadro. Nadador Daniel Dias é homenageado
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A cerimônia de encerramento da paralimpíada de Tóquio foi realizada neste domingo (5). A festa celebrou a diversidade com cores, ritmos e luz. Mesmo sem público, devido a pandemia do coronavírus, o evento celebrou o sentimento de confraternização e mandou uma mensagem de esperança enaltecendo a importância da diversidade.

Cerimôni de encerramento da paralimpíada de Tóquio. Foto: Matsui Mikihito/CPB

O porta-bandeira da delegação brasileira foi o nadador Daniel Dias, que se aposentou aos 33 anos. O atleta se despede de Tóquio com três medalhas de bronze, totalizando 27 conquistas paralímpicas em quatro paralimpíadas. Agora, o ex-nadador foi eleito o novo representante do Conselho de Atletas do IPC. Ele é o maior medalhista e maior campeão paralímpico da história do Brasil.

Maior atleta paralímpico da história do Brasil, Daniel Dias foi homenageado. Foto: Matsui Mikihito/CPB.

O Brasil tem muito o que celebrar após o encerramento dos jogos. O país bateu recorde ao somar 22 ouros, ultrapassando a marca de 21 ouros alcançados em Londres 2012. Esta é a melhor participação brasileira da história nos Jogos Paralímpicos.

A delegação conseguiu igualar o total de 72 medalhas da Rio 2016. O Brasil terminou a competição na sétima colocação no quadro, repetindo também a melhor posição do Brasil na história, obtida em Londres.

Em Tóquio, as conquistas foram distribuídas em 14 esportes, o que marca outra quebra de recorde. O Brasil chegou ao pódio e conquistou medalha nas seguintes modalidades: atletismo, bocha, esgrima em cadeira de rodas, futebol de 5, goalball, halterofilismo, hipismo, judô, natação, parabadminton, paracanoagem, parataekwondo, remo, tênis de mesa e vôlei sentado. 

O Brasil se consolidou como potência paralímpica e superou os objetivos propostos antes do evento. O principal era se manter no top 10 do quadro de medalhas. O Brasil superou a expectativa e ficou a três ouros do top 5.  A próxima edição das paralimpíadas será Paris 2024. 

Relacionadas
INTERNACIONALIZAÇÃO
Canal MyNews abre escritório em Portugal e anuncia parceria com Almedina para publicar livros e realizar cursos online comercializados nos países de língua portuguesa
Imunização
Anúncio ocorre após resultados preliminares dos testes de fase dois e três. Tolerância ao imunizante é comparável à da faixa etária de 16 a 25 anos
CUMBRE VIEJA
Mesmo com intensa atividade no vulcão, a chance de um tsunami chegar ao Brasil ainda é considerada pequena por especialistas
CLUBE DO LIVRO
Obra do Clube do Livro está com 30% de desconto na Editora Dublinense. Dá tempo de comprar, ler e participar do bate-papo entre leitores e assistir a live com o autor
ESPECIAL
Nascido no Recife, em 19 de setembro de 1921, Paulo Freire acreditava numa educação libertadora, que colocasse as pessoas no centro do aprendizado e de uma contextualização da realidade, com suas diferenças e contradições
PANDEMIA
Neurocientista Steven Rehen destaca que efeitos são causados pela capacidade do Covid-19 alterar genes que fazem corpo responder a neuroinflamações e por provocar lesões microvasculares no cérebro
Inscreva-se na newsletter

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.