LUTO

Marília Mendonça era a rainha da sofrência e maior nome do feminejo

Músicas de Marília Mendonça se tornaram hinos de pessoas de todas as idades e de todos os gêneros. Cantora, compositora e instrumentista, a artista deu voz às mulheres na música sertaneja
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Marília Mendonça nasceu em Cristianópolis, Goiás, em 1995. A artista de 26 anos começou a compor ainda muito jovem, aos 12 anos, e escreveu sucessos para outros artistas sertanejos, como a canção “Cuida Bem Dela”, que ganhou o país na voz da dupla Henrique e Juliano. Lançou seu primeiro EP em 2014, e em 2016, o DVD de mesmo nome: “Marília Mendonça Ao Vivo”, gravado em estúdio, com destaque para as músicas “Infiel” e “Como faz com ela”.

Marília Mendonça - luto
Rainha da sofrência, Marília Mendonça começou a compor aos 12 anos e se tornou um ícone para as mulheres na música sertaneja/Foto: Reprodução/Redes Sociais

Nessa época, ganhou o título de “Rainha da Sofrência” pelo conteúdo de suas canções. Depois disso, lançou um álbum por ano, fez turnês em todo o país e se tornou a artista mais ouvida no app de streaming de música Spotify, em 2019 e 2020.

Em 2019, a turnê do seu projeto “Todos os cantos” – que percorreu as capitais dos estados brasileiros para a gravação de clipes e ganhou o Grammy Latino pelo Melhor Álbum de Música Sertaneja – foi interrompida pela gravidez da cantora, que deu à luz em 16 de dezembro ao filho Leo, fruto do relacionamento com o também cantor sertanejo Murilo Huff. O bebê fará dois anos no próximo mês.

Seu atual projeto era com a dupla sertaneja Maiara e Maraisa, o “Patroas”, que foi iniciado durante a pandemia do Covid-19, através de lives das artistas.

Marília Mendonça fala sobre o que é o brega para ela no início

No início dessa live, Marília Mendonça fala o que é ser brega para ela:

“Faço dos meus sentimentos exagerados o meu próprio palco. Eu sou amor e como diria Sidney Magal, o amor tem de ser brega. Deus me livre de um amor chique, discreto. Deus me livre de sentir morno e suave. Deus me livre de falar baixo, sorrir baixo, sonhar baixo, de volume baixo. O dicionário diz que brega, adjetivo, denota falta de gosto. Eu digo que não, eu gosto muito e profundamente. Tão profundo que grito aos quatro cantos os meus amores nem sempre reais. É por isso que é tão divertido ser brega como eu. Tudo é muito, tudo é grande, tudo me transforma. Tudo me revira e vira choro e vira música, vira grito, vira motivo, vira poesia, vira esperança. Se se entregar de corpo e alma assim é ser brega, muito prazer, me chame de Marília Mendonça”.

Marília Mendonça deu voz às mulheres no gênero sertanejo

Marília Mendonça é o maior nome do feminejo no Brasil, movimento de mulheres na música sertaneja. Suas músicas se tornaram hinos de pessoas de todas as idades e de todos os gêneros. Ela falava sobre coração partido, a volta por cima pós-término, amantes que não queriam ser amantes, relacionamentos reais e complicados e, principalmente, sobre empoderamento feminino.

Cantora, compositora e instrumentista, Marília Mendonça deu voz a milhares de mulheres que não conseguiam se ver num gênero musical historicamente masculino e machista. Era a protagonista de cada canção que escrevia e cantava.

“A grande compositora popular do Brasil”: é assim que o professor doutor do Programa de Pós-graduação em Comunicação Social (PPGCOM) da Universidade Federal de Pernambuco e pesquisador de música pop, perfomance e gênero, Thiago Soares, descreve Marília Mendonça.

O debate sobre o que pode ser ou não considerado MPB, Música Popular Brasileira, é antigo, mas com Marília Mendonça nem é preciso aprofundar. Para Soares, o que conta é a facilidade com a qual ela se conectava com as pessoas, o “falar fácil”. E até para quem acredita que a MPB só tem nomes como Caetano Veloso, Gal Costa e Elis Regina, precisa reconhecer que Marília Mendonça transitou sem medo pelo gênero. Um exemplo disso é a parceria com a própria Gal Costa, na música Cuidando de Longe (2018).

A artista também era uma personalidade política. Em 2018, publicou em suas redes sociais um #EleNão, mote da principal campanha contra o então candidato à presidência Jair Bolsonaro. Logo depois, apagou a postagem justificando que sofreu ameaças, mas sempre se colocou a favor de uma agenda progressista, mesmo sendo originária de um gênero que tem um histórico conservador e é forte em estados conservadores, como afirma Thiago Soares.

O professor lembra que a artista também teve forte adesão na comunidade LGBTQIA+. “Esse link político que Marília Mendonça trouxe, conectou muito ela com a comunidade LGBT”. Em 2020, quando foi acusada de transfobia após uma piada preconceituosa numa live, pediu desculpas em outra transmissão, em outubro de 2020, e convidou a mulher trans Alice Felis a gravar uma mensagem de conscientização sobre a transfobia.

Felis havia sido espancada no Rio de Janeiro e o caso repercutiu nas redes. Ela contou sobre a agressão e o preconceito contra pessoas trans para o diverso público que acompanhava Marília Mendonça naquele dia. E não era pouca gente. A sua live mais vista, em 8 de abril de 2021 teve nada menos que 3,31 milhões de visualizações – a mais vista na plataforma Youtube em todo o mundo.

Thiago Soares lembra que Marília Mendonça fazia esses deslocamentos dentro da música, atendendo a diversos públicos com diferentes posicionamentos e com composições que mostravam esse paralelo.

Em algumas canções, Marília era empoderada, mandando o namorado controlador embora. Na outra, implorava para ele ficar. Deu voz à amante arrependida, ao mesmo tempo em que dispensava o parceiro que traía. Segundo o pesquisador da UFPE, essas oposições a aproximavam das pessoas. “É uma perda irreparável”, afirma o professor Thiago Soares.

No Twitter, a assessoria de comunicação de Marília Mendonça e de Maiara e Maraísa publicaram uma nota de pesar:

Conheça mais sobre a importância de Marília Mendonça para a MPB e tenha mais informações sobre o acidente que vitimou a artista no Canal MyNews

Relacionadas
NO TWITTER
Polarização e ataques organizados e institucionalizados à liberdade de imprensa potencializam discurso misógino contra profissionais que cobrem política
Ômicron
Batizada de ômicron, a nova variante do Covid-19 é bastante transmissível e já foi identificada em países da África, Europa e na China. Medidas sanitárias, como uso de máscara e distanciamento social continuam necessárias. Vacinação precisa avançar em todo o mundo
ALERTA
Grupos antivax se refugiam no aplicativo Telegram e negociam comprovantes falsos de vacinação. Canais têm número ilimitado de participantes e são parte de problema maior. MyNews acompanhou fóruns e mostra como movimento anticiência se fortalece com a desinformação
ALERTA
Garimpo ilegal foi organizado após boatos sobre descoberta de ouro na região. Atividade é de grande impacto ambiental
Ventre livre?
Mulheres resistem com ações coletivas para tornar realidade a libertação que nunca saiu do papel
CONFERÊNCIA DO CLIMA
Para a ativista indígena Txai Suruí COP26 teve de positiva a visibilidade alcançada pelos povos indígenas e pelo movimento quilombola. Liderança jovem ainda vê o mundo distante de alcançar metas para contornar a crise climática
Inscreva-se na newsletter

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.