Mianmar

Secretário-geral da ONU condena violência em Mianmar

População foi para as ruas protestar contra golpe militar e pela soltura de presos políticos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou o uso da violência por parte das forças armadas de Mianmar contra manifestantes que tomam as ruas desde a semana passada no país.

Secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou violência em Mianmar. Foto: UNclimatechange

Pelas redes sociais, Guterres disse que condena o uso de violência em Mianmar e que “o uso de força letal, intimidação e assédio contra manifestantes pacíficos é inaceitável. Toda pessoa tem direito à reunião pacífica. Apelo a todas as partes para que respeitem os resultados das eleições e voltem ao governo civil”.

A violência militar teve uma escalada durante o fim de semana, principalmente no sábado (20) quando duas pessoas morreram.

O golpe militar em Mianmar aconteceu no dia 1º de fevereiro, quando o exército tomou o Parlamento sob o argumento de que houve fraude nas eleições do ano passado. Além de tomar o poder, os militares prenderam opositores políticos, entre eles, a Nobel da Paz San Suu Kyi.

Neste fim de semana, os protestos se intensificaram. O estopim foi a morte de uma manifestante de 20 anos, que foi atingida por um tiro de metralhadora na cabeça. Ela chegou a ser levada para o hospital, mas morreu na sexta-feira. A estudante foi a primeira manifestante morta e acabou se tornando uma espécie de mártir do movimento. A irmã dela pediu que as pessoas não deixassem de protestar e a população atendeu.

Os protestos continuaram na sexta-feira e provocaram reação ainda mais violenta no sábado. As pessoas foram para as ruas com cartazes que pediam a desobediência civil, uma forma de desmoralizar o governo militar que tomou o poder, e a liberação de presos políticos. O exército revidou, segundo a imprensa local, com tiros com munição de verdade, muitos manifestantes foram presos. 

Como aconteceu nos dias que seguiram o golpe, o país ficou sem internet, sem acesso às redes sociais, mas isso não atrapalhou a articulação dos protestos, as pessoas foram para as ruas mesmo assim.

Até o momento, 520 pessoas foram presas em Mianmar entre manifestantes e líderes políticos, segundo a associação que ajuda a presos políticos do país.

Os protestos devem continuar nesta segunda-feira. O relator especial da ONU para Mianmar, Tom Andrews, também se manifestou pelas redes sociais. Ele disse que ficou  horrorizado com a morte dos dois manifestantes.

“De canhões de água a balas de borracha e gás lacrimogêneo e agora tropas reforçadas a disparar à queima-roupa contra manifestantes pacíficos. Essa loucura tem que acabar

Relacionadas
Missiva pede ação de autoridades nacionais, ONU e Tribunal Penal Internacional contra o presidente
Fome
Líder comunitário relata aumento na procura por alimentos com fim do auxílio emergencial e disparada do desemprego
Líderes religiosos
É a primeira viagem internacional do Sumo Pontífice desde o início da pandemia de covid-19
COVID-19
Diretor-geral da OMS pediu “medidas agressivas” para conter contaminação no Brasil e alertou que situação do país afeta nações vizinhas
Francisco é o primeiro pontífice na história a pisar em solo iraquiano.
Família Real
Princesas Elena e Cristina admitiram ter furado a fila da vacinação para visitar rei emérito, gerando críticas à monarquia

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.