Rede social

Brasil vive “amostra do que é o comunismo”, afirma Bolsonaro

Presidente da República afirma que se facada tivesse sido fatal, Haddad ou Ciro seria presidente
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) publicou nesta segunda-feira (12) texto nas redes sociais em que pede união de forças e para “nunca ofender exatamente aquele que pode ser decisivo nesse salvamento”.

Bolsonaro afirma que se “a facada tivesse sido fatal”, o presidente do Brasil hoje seria Fernando Haddad (PT) ou Ciro Gomes (PDT) e pede: “não desagregue”.

“Hoje você está tendo uma amostra do que é o comunismo e quem são os protótipos de ditadores, aqueles que decretam proibição de cultos, toque de recolher, expropriação de imóveis, restrições a deslocamentos, etc”.

Ainda em sua publicação, Bolsonaro afirma que, sem emprego ou renda, “o caos bate na porta dos brasileiros”. “Pergunte o que cada um de nós poderá fazer pelo Brasil e sua liberdade e … prepare-se”, afirma o presidente da República em seu Facebook.

O Supremo Tribunal Federal decidiu no dia 8 de abril que estados e municípios podem restringir eventos religiosos para deter a expansão de covid-19. A decisão foi tomada por 9 votos a 2.

Já no domingo (11), o senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO) publicou gravação de conversa telefônica com Bolsonaro. No diálogo, o presidente pede que governadores e prefeitos sejam incluídos da CPI da Pandemia e defende o andamento de pedidos de impeachment de ministros do Supremo.

Inscreva-se na newsletter
Relacionadas
Cpi da Pandemia
Advocacia-Geral da União (AGU) apresenta habeas corpus preventivo ao Supremo em favor do ex-ministro da Saúde
Entrevista – Alessandro Molon
Durante o programa Café do MyNews desta quinta-feira, o deputado Alessandro Molon falou sobre o uso dos R$ 3 bilhões do orçamento paralelo
CPI DA PANDEMIA
Murillo afirma na CPI da Pandemia que três ofertas de imunizantes foram deixadas sem resposta e que 1,5 milhão de doses poderiam ter sido entregues em 2020
Pesquisa Datafolha
Segundo o Datafolha, 35% dos evangélicos votariam em Lula no 1º turno e 34% em Bolsonaro, petista também avança entre empresários
Quarta Chamada
Criminalista avalia que não é possível ser “garantista de ocasião” e que encaminhamento ao MP foi a medida correta
2022
É a primeira pesquisa do instituto desde a anulação das condenações do ex-presidente pelo ministro do STF Edson Fachin

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.