CASO FLORDELIS

Conselho de Ética da Câmara decide pela cassação do mandato da deputada Flordelis

O caso ainda precisa passar pelo plenário da casa e a parlamentar pode recorrer à CCJ
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Nesta terça-feira (8), o Conselho de Ética da Câmara decidiu pela cassação do mandato da deputada Flordelis (PSD-RJ), por quebra de decoro parlamentar. Ela é acusada de usar o cargo para influenciar as investigações sobre o assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo. Foram 16 votos a um – apenas o deputado Márcio Labre (PSL-RJ), votou a favor de Flordelis.

Flordelis
A deputada federal Flordelis (PSD/RJ) é acusada de ser a mandante do assassinato de Anderson do Carmo, em 2019. Foto: Fernando Frazão (Ag. Brasil).

Para quem não lembra, a deputada é acusada de ser a mandante do assassinato de Anderson do Carmo, em 2019, e responde na justiça por homicídio triplamente qualificado – motivo torpe, emprego de meio cruel e de recurso que impossibilitou a defesa da vítima -, tentativa de homicídio, uso de documento falso e associação criminosa armada. Ela nega todas as acusações, inclusive de quebra de decoro parlamentar.

Os deputados aprovaram o relatório do deputado Alexandre Leite (DEM-SP), apresentado na última semana. Agora, o plenário da casa precisa dar a palavra final na decisão. Para que Flordelis perca o mandato são necessários 257 votos – ou seja: que a maioria absoluta dos deputados seja favorável ao afastamento de Flordelis. Ainda não há data para a votação – os deputados têm 90 dias para analisar o caso – e a deputada pode recorrer à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da casa.

Inscreva-se na newsletter
Relacionadas
Eleições 2022
Em evento no Pará na última sexta-feira, Bolsonaro exibiu camiseta com menção à disputa em 2022
CPI DA PANDEMIA
Relator divulgou lista com 14 nomes; inclui Wizard, Wajngarten, Capitã Cloroquina
Entrevista
Ex-senador afirma ter sido vítima de uma “verdadeira aberração jurídica”
2022
Renato Pereira, contratado por Freixo, fez delação premiada que baseou denúncia contra prefeito do Rio
Privatização
Em corrida contra o tempo, Arthur Lira marcou para segunda (21) votação da MP, que vence na terça
PRIVATIZAÇÃO
Projeto que permite privatização da Eletrobras volta para Câmara. MP perde validade na terça se não for aprovada

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.