Pesquisa Datafolha

Lula fura bolha de Bolsonaro e tem maioria numérica entre evangélicos

Segundo o Datafolha, 35% dos evangélicos votariam em Lula no 1º turno e 34% em Bolsonaro, petista também avança entre empresários
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A mais recente pesquisa do Instituto Datafolha guarda mais notícias ruins para o presidente Jair Bolsonaro além da dianteira folgada do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas intenções de voto para 2022. O resultado é reflexo não apenas de um desgaste da atual gestão, mas também de uma entrada do petista em eleitores tidos como o núcleo duro do bolsonarismo. Lula já está à frente entre os evangélicos.

Segundo pesquisa Datafolha, Lula venceria o segundo turno contra o atual presidente, Jair Bolsonaro.
Segundo pesquisa Datafolha, Lula venceria o segundo turno contra o atual presidente, Jair Bolsonaro. Foto: Ricardo Stuckert (Agência PT).

Uma análise nos pormenores dos dados mostra que Lula conseguiu a maioria numérica  entre eleitores evangélicos — 35% dessa fatia do eleitorado afirmou votar no petista no primeiro turno. Em seguida aparece Bolsonaro, com 34% e empatados em terceiro e quarto aparecem o ex-juiz Sergio Moro e o apresentador Luciano Huck.

O Datafolha ouviu 2.701 pessoas de forma presencial em 146 municípios entre os dias 11 e 12 de maio. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

Em março, o instituto havia perguntado aos brasileiros se Lula deveria concorrer ou não às eleições. Na época, 55% dos evangélicos foram contrários.

Lula conseguiu também um bom naco entre empresários, que, em março, eram majoritariamente contrários à sua candidatura — 72% do total. Agora em maio, 26% já admitem votar no petista, um percentual ainda bem inferior aos 49% que apoiam Bolsonaro. Entre quem ganha entre 5 e 10 salários mínimos, há 26% de intenção de votar no PT e 30% no atual presidente. No levantamento anterior, 62% discordavam da presença do nome de Lula na urna.

Ainda que perguntas diferentes, a comparação entre as duas pesquisas mostra o impacto do avanço da pandemia do coronavírus na avaliação do presidente. Março havia sido o pior mês desde o início da crise, com 66 mil mortos. Iniciamos abril com cerca de 320 mil mortos e encerramos passando da casa dos 400 mil.

Todo o cenário combinado com o início da CPI da Pandemia contribuíram para aumentar o desgaste da atual gestão. O mesmo Instituto Datafolha mostra uma rejeição de 54%, ultrapassando a metade do eleitorado. Em cenários de segundo turno, Bolsonaro aparece numericamente atrás de candidatos que não pontuam sequer 10% no primeiro, como Ciro Gomes (PDT) e João Doria (PSDB).

A campanha ainda não começou e a tendência é que os ataques a Lula se intensifiquem na medida em que as eleições se aproximarem. Bolsonaro pode acabar reduzindo a rejeição com o avanço da vacinação e com um início de retomada na economia. Mas o resultado do levantamento já mostra que se o objetivo com o acirramento do discurso era fortalecer o que o Planalto acreditava ser o seu núcleo duro, a estratégia pode não estar dando certo.

Íntegra do programa ‘Café do MyNews‘ desta quinta-feira (13), que detalhou a última pesquisa Datafolha.
Relacionadas
Por defesa do “kit covid”
Senadores querem investigar suposta participação do empresário em esquema de disseminação de informações falsas sobre “kit covid”. Também alvo da Comissão, Plano de Saúde omitiu causa da morte da mãe de Hang em atestado de óbito
Pesquisa IPEC
Pesquisa divulgada nesta quarta-feira pelo Ipec mostra ainda uma estabilidade nas intenções de voto para presidente em 2022, em comparação a junho
CPI DA PANDEMIA
Segundo dossiê entregue à CPI, assinado por 15 médicos, Prevent Senior ocultou mortes no decorrer de pesquisa realizada sem autorização da Anvisa e com medicações sem eficiência comprovada para combater Covid-19
QUARENTENA
Ministro da Saúde participou da abertura da 76ª Assembleia Geral da ONU juntamente com a comitiva brasileira. Na segunda (20), Queiroga fez gesto obsceno para pessoas que protestavam contra o governo Bolsonaro
TUMULTO E BATE-BOCA
Wagner Rosário chamou a senadora Simone Tebet de “descontrolada” e gerou tumulto na CPI da Pandemia
Assembleia Geral das Nações Unidas
Em pouco mais de 12 minutos, Bolsonaro promoveu atuação do governo federal nos últimos anos, disse que não há mais corrupção e sustentou o uso de remédios sem eficácia
Inscreva-se na newsletter

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.