Quarta Chamada

Prisão de Wajngarten na CPI seria legal, mas erro político e espetacularização da justiça, diz Augusto Botelho

Criminalista avalia que não é possível ser "garantista de ocasião" e que encaminhamento ao MP foi a medida correta
por 
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Embora uma prisão em flagrante do ex-secretário especial de Comunicação Social, Fabio Wajngarten, durante seu depoimento na CPI da Pandemia fosse legal do ponto de visto jurídico porque poderia fazer cessar um possível falso testemunho, o advogado criminalista Augusto de Arruda Botelho tem dúvidas se esta seria a melhor alternativa.

Wajngarten entrou em contradição durante seu depoimento ao colegiado nesta quarta-feira (12). O ex-membro do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) entrou em choque com afirmações que fez à revista Veja em entrevista e irritou os senadores da CPI. O senador Renan Calheiros (MDB-AL) e o senador Fabiano Contarato (Rede-ES) pediram a detenção de Wajngarten. Todavia, o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), negou o pedido e afirmou que o caso será enviado ao Ministério Público.

“Entendo que o mais correto foi o que efetivamente foi feito, um encaminhamento para o Ministério Público para verificar se houve a prática de um crime de falso testemunho, e me parece que, sim, houve. Ficou claro ali em contraponto ao áudio [da entrevista] que foi divulgado”, diz Botelho ao Quarta Chamada.

Ainda de acordo com o criminalista, uma possível prisão seria um erro político. “A prisão em flagrante ali seria muito mais um espetáculo e justiça criminal não é espetáculo, prisão não é espetáculo, de ninguém, inclusive de quem a gente não gosta. Não dá para ser garantista de ocasião”.

Inscreva-se na newsletter
Relacionadas
Eleições 2022
Em evento no Pará na última sexta-feira, Bolsonaro exibiu camiseta com menção à disputa em 2022
CPI DA PANDEMIA
Relator divulgou lista com 14 nomes; inclui Wizard, Wajngarten, Capitã Cloroquina
Entrevista
Ex-senador afirma ter sido vítima de uma “verdadeira aberração jurídica”
2022
Renato Pereira, contratado por Freixo, fez delação premiada que baseou denúncia contra prefeito do Rio
Privatização
Em corrida contra o tempo, Arthur Lira marcou para segunda (21) votação da MP, que vence na terça
PRIVATIZAÇÃO
Projeto que permite privatização da Eletrobras volta para Câmara. MP perde validade na terça se não for aprovada

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.