eleição no Senado

MDB anuncia candidatura de Simone Tebet à presidência do Senado

Senadora que dirige a CCJ terá Rodrigo Pacheco (DEM-MG) como principal adversário
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
13 de janeiro de 2021
A senadora Simone Tebet (MDB-MS), durante sessão no Senado
A senadora Simone Tebet (MDB-MS), durante sessão no Senado.
(Foto: Jane de Araújo/Agência Senado)

O MDB anunciou nesta terça-feira (12) a candidatura de Simone Tebet (MDB-MS) à presidência do Senado. A parlamentar é atualmente a presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Casa. Se vencer a disputa, será a primeira mulher a comandar a Casa.

O MDB tem atualmente a maior bancada do Senado, com 15 parlamentares. Por enquanto, no entanto, o favorito na disputa é o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), que tem o apoio do atual presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP) e também é apontado como o nome do presidente Jair Bolsonaro.

O PT, partido de oposição ao governo federal, também anunciou apoio à candidatura de Pacheco. A eleição que define o novo presidente do Senado e vai renovar a mesa diretora da Casa ocorre em 1º de fevereiro.

‘Embolar o jogo’

“O Rodrigo Pacheco é favorito nesse exato momento. Ele está próximo de conseguir mais de 35 votos, quase 40. Lembrando que são necessários 41 votos para a eleição para a presidência da Casa”, explicou o analista de risco político Creomar de Souza, no programa Vou te Contar, do canal MyNews.

“Eu creio que o movimento do MDB de indicar a senadora Simone Tebet dá uma nova conjuntura, tendo em vista o fato que Simone Tebet consegue angariar algumas forças dentro do Senado Federal e de repente o MDB está contando com isso para embolar um pouco o jogo”, complementou.

Você pode assistir a íntegra da entrevista abaixo:

Em 2019, Simone Tebet chegou a se lançar candidata ao mesmo posto de forma independente, pressionando a legenda que defendia a postulação de Renan Calheiros (MDB-AL), abrindo mão pouco antes da eleição.

Calheiros, no entanto, acabou derrotado por Davi Alcolumbre em uma sessão polêmica.

Relacionadas
Mobilizações nas ruas
Movimentos de esquerda e direita ainda não se uniram, mas expressam uma mesma reivindicação quanto ao atual presidente
Mobilizações nas ruas
Atos deste domingo são puxados por grupos de direita, enquanto as carreatas de sábado foram apoiadas pela esquerda
Protestos
Além das manifestações de sábado são esperados novos atos para este domingo (24)
Presidente questionado
Levantamento aponta ainda que reprovação ao presidente saltou de 37% para 45%
Pandemia e diplomacia
Relações desgastadas com China e Índia, fornecedores de insumos médicos, já impactam na produção das vacinas
Presidente na berlinda
Presidente volta a recorrer aos céus em questionamento sobre possível processo de afastamento

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.