atos antidemocráticos

PGR denuncia Daniel Silveira, preso em flagrante

STF manteve a prisão do deputado após apologia ao AI-5 e ofensas a ministros da Corte
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A Procuradoria-Geral da República denunciou o deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) ao Supremo Tribunal Federal. A denúncia foi feita no âmbito do inquérito que investiga atos antidemocrático desde abril do ano passado.

O deputado é acusado de, ao menos três vezes, praticar agressões verbais e graves ameaças contra ministros da Corte para favorecer interesse próprio; de duas vezes incitar o emprego de violência e grave ameaça para tentar impedir o livre exercício dos Poderes Legislativo e Judiciário; e de incitar a animosidade entre as Forças Armadas e o STF.

Deputado Daniel Silveira foi preso após vídeo atacando ministros do STF. Foto: Vinicius Loures/Câmara dos Deputados
Deputado Daniel Silveira foi preso após vídeo atacando ministros do STF. Foto: Vinicius Loures/Câmara dos Deputados

Os três crimes estão previstos no Código Penal e na Lei de Segurança Nacional. A acusação foi apresentada pela PGR após o plenário do STF manter por unanimidade a prisão do deputado por crime inafiançável.

parlamentar divulgou um vídeo nesta terça-feira (16) em que defende a destituição de ministros do Supremo Tribunal Federal, o que é inconstitucional.

No vídeo, Silveira ainda fez apologia ao AI-5, Ato Institucional número 5, instrumento de repressão utilizado pela ditadura militar. O deputado ataca e cita seis ministros: Edson Fachin, Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Gilmar Mendes, Marco Aurélio Mello e Dias Toffoli.

A prisão foi determinada pelo ministro Alexandre de Moraes, que definiu o cumprimento “imediatamente e independentemente de horário por tratar-se de prisão em flagrante delito”. Silveira foi preso por volta das 23h.

Moraes declarou que a conduta do parlamentar é gravíssima, pois atenta ao Estado Democrático de Direito brasileiro e suas Instituições republicanas.

No pedido de prisão, Moraes lembra que o parlamentar é investigado a pedido da Procuradoria-Geral da República por ter se “associado com o intuito de modificar o regime vigente e o Estado de Direito, através de estruturas e financiamentos destinados à mobilização e incitação da população à subversão da ordem política e social, bem como criando animosidades entre as Forças Armadas e as instituições”.

A decisão determina também que o vídeo postado pelo deputado seja retirado do ar pelo YouTube, sob pena de multa de R$ 100 mil.

Apesar de ter sido em flagrante e por um crime inafiançável, a prisão do deputado depende da Câmara. Na decisão, o ministro Alexandre de Moraes afirma que o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) deve ser “imediatamente oficiado para as providências que entender cabíveis”.

Relacionadas
Presidente usou imagem adulterada para promover lançamento do Amazônia 1
2022
Ex-presidente depende de decisão favorável do Judiciário para ser candidato
Letalidade recorde
Ex-presidente da Anvisa, Gonzalo Vecina Neto avalia que fechamento do comércio é o único caminho possível para deter a pandemia
Crime de calúnia
Denúncia foi apresentada por Flávio Dino, que alega ter tido sua imagem maculada por informação falsa
Avaliação do presidente
Rejeição ao presidente oscilou dentro da margem de erro desde fevereiro
Repercussão internacional
Avanço da covid-19 no Brasil é assunto em publicações internacionais

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.