colunista Juliana Braga
Jornalista do MyNews
STF

Ministros não declaram voto pra não ampliar crise com Daniel Silveira

Por unanimidade, os magistrados mantiveram o parlamentar preso; medida será avaliada pelo Congresso
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O Supremo Tribunal Federal (STF) analisou na tarde desta quarta-feira (17) a prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ). Decretada de forma liminar pelo ministro Alexandre de Moraes no inquérito das Fake News, a medida foi referendada de forma unânime pelo plenário. Para evitar ampliar a crise, os ministros combinaram não declarar seus votos na sessão, transmitida pela TV Justiça, e apenas acompanharam o relator do caso.

Durante a sessão, somente três magistrados se pronunciaram: Luiz Fux, que falou como presidente do STF, Alexandre de Moraes, o relator, e Marco Aurélio, decano da Corte, que preferiu mandar um recado ao Congresso.

Fux afirmou que cabe ao STF zelar pelo funcionamento das instituições brasileiras promovendo a estabilidade democrática e buscando incansavelmente a harmonia entre os Poderes. “Por esses motivos, esta Corte mantém-se vigilante contra qualquer forma de hostilidade à instituição. Ofender autoridades, além dos limites permitidos pela liberdade de expressão que nós tanto consagramos no STF, exige necessariamente uma pronta atuação da Corte”, afirmou.

Alexandre de Moraes defendeu a adoção do que chamou de “medidas enérgicas” para impedir novos ataques à democracia. “As manifestações revelam-se gravíssimas não apenas do ponto de vista pessoal, como também do ponto de vista institucional e do Estado Democrático de Direito. Essas manifestações se revestiram de claro intuito, visando impedir o exercício livre da Judicatura, o exercício independente do Poder Judiciário e a manifestação do Estado Democrático de Direito”, justificou.

Já o ministro Marco Aurélio fez questão de manifestar sua perplexidade com a declaração do deputado Daniel Silveira. “Jamais imaginei vivenciar o que eu vivenciei. Jamais imaginei que uma fala pudesse ser tão áspera, tão agressiva e tão chula no tocante às instituições”, disparou. Ele também ressaltou o respaldo dado em plenário à decisão de Alexandre de Moraes. Agora a Câmara irá analisar o ato de um colegiado “formalizado em uma só voz” e não o ato individual de um ministro, ponderou.

A estratégia de não ler o voto durante a sessão televisionada foi acertada entre os ministros durante a manhã desta quarta-feira (17). O objetivo foi concentrar a fala no presidente do STF, Luiz Fux, que representa institucionalmente todos os ministros e, na sequência, apenas dar respaldo e fortalecer o ministro Alexandre de Moraes, que tem sido alvo das redes sociais bolsonaristas. A avaliação é de que o recado já foi dado com a prisão de Silveira e não há necessidade de ampliar a crise nem com a Câmara, nem com o Palácio do Planalto.

Relacionadas
Troca na comunicação
A nomeação aguarda apenas uma confirmação de Bolsonaro, mas seu sucessor, Flávio Rocha, já despacha em seu lugar
Corrida presidencial
Supremo pode colocar o ex-presidente na corrida por 2022
ELEIÇÕES
Governador do Espírito Santo é mais um nome no já congestionado campo da esquerda de olho no Planalto
EXCLUSIVO
Inquérito das Fake News tem indícios de que os financiadores da campanha do presidente patrocinam sites de notícias falsas
Tensão entre Poderes
O presidente da Câmara se reúne nesta terça-feira com gestores locais
ECONOMIA
Ministro da Economia entendeu o recado da demissão de Roberto Castello Branco da Petrobras

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.