2022

Teto de gastos deve ser revogado, diz Ciro Gomes

Presidenciável do PDT revela conversa com leque de economistas e diz que teto de gastos é "loucura" sem precedentes
por 
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Em entrevista ao jornal Valor Econômico publicada nesta segunda-feira (17), Ciro Gomes (PDT) faz duras críticas ao ex-presidente Lula (PT), defende uma aliança de centro-esquerda para 2022 e diz que o teto de gastos é uma “loucura feita em cima da pernas por uma elite que não entende nada.”

O político do PDT afirma que estão aumentando as chances de ser o nome que desafiará Lula em um segundo turno nas próximas eleições e que está propondo uma aliança ao DEM. Para Ciro, Jair Bolsonaro (sem partido) não deve chegar ao segundo turno e o centrão deve abandonar o presidente.

“O que precisamos é de uma aliança de centro-esquerda. Precisamos recuperar o Estado e sua capacidade de investir, de planejar, coordenar. A minha proposta de reforma tributária você pode chamar de esquerda mas está em linha com as melhores práticas internacionais. Só o Brasil e a Estônia não cobram lucros e dividendos. Nos Estados Unidos, epicentro do capitalismo global, o imposto sobre as grandes heranças tem alíquota de 29%. No Brasil é 4%. Isso é esquerda?”, diz Ciro.

O presidenciável também diz que Lula busca “retomar o poder” e avalia que o “lulopetismo” foi responsável por arrebentar as contas públicas brasileiras. “Quem vai ter que se explicar agora é o Lula porque vou para cima dele. “Vamos derrotar Bolsonaro e vou propor mudança. Lula é parte central da corrupção. Lula é o maior corruptor da história moderna brasileira. E não aprendeu nada. Fica na lambança, prometendo a volta de um passado idílico que é mentira”, avalia.

Na área econômica, Ciro diz que sua equipe é liderada por Nelson Marconi, Mauro Benevides Filho e Paulo Rabello de Castro. Ele também diz ter conversas regulares com Bresser Pereira, Delfim Netto, Luiz Gonzaga Belluzzo e, com menos frequência, com André Lara Rezende, Pérsio Arida e Armínio Fraga.

Para Ciro, o teto de gastos deve ser revogado.

“O ‘barata voa’ já está acontecendo. Bolsonaro acabou de fazer uma portaria arrebentando o teto de gastos, não só do governo federal, mas dos Estados. O orçamento de guerra é uma ficção contábil. A emenda da austeridade é outra ficção contábil.E teto de gastos foi para o beleléu no primeiro ano porque nunca foi praticável. Qual a literatura que sustenta, qual precedente que sustenta? Teto de gastos é aberração. Pode estabelecer com lei complementar, uma resolução do Senado que limite a dívida. Onde é que já se viu criar teto para 20 anos? As despesas obrigatórias estão crescendo 9% acima da inflação no governo Bolsonaro. O teto de gastos vai para onde? Para deprimir a taxa de investimento a zero. Isso tem um ‘trade off’ que acaba com a economia do país. Para manter a infraestrutura precisa gastar 2,5% do PIB, mas gastamos 0,75% com tudo. Tem que reconstitucionalizar o país e acabar com essa loucura, feita em cima da pernas por uma elite que não entende nada”, afirma Ciro ao Valor.

Relacionadas
SEGUNDA CHAMADA
Para jornalista Jamil Chade, comunidade internacional já tem uma posição em relação a Bolsonaro e discurso não vai ser suficiente para reverter essa imagem destruída que Brasil tem hoje no mundo
ASSEMBLEIA GERAL DA ONU
Bolsonaro pretende uma agenda positiva, mas é o único líder do G-20 que não se vacinou contra a Covid-19. Primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, aconselhou o presidente brasileiro a tomar a vacina Oxford/AstraZeneca
DE OLHO EM 2022
Com queda do engajamento nas redes bolsonaristas desde o fim de 2020, filhos de Jair Bolsonaro buscam empresa estrangeira para promover disparos em massa
SUSPENSÃO DA VACINAÇÃO
Decisão foi acordada em reunião nesta sexta-feira, após o ministro ter suspendido a vacinação em adolescentes sem consultar a Câmara Técnica da pasta
CPI nas ruas
Operação foi a pedido da cúpula da CPI da Pandemia, e mira documentos que possam esclarecer o contrato de R$1,61 bilhão assinado pelo governo para aquisição da Covaxin
OPINIÃO
A Câmara é um órgão colegiado, mas o seu presidente tem o poder de, sozinho, decidir se admite ou não que as petições relatando crimes de responsabilidade serão apreciadas pelas comissões pertinentes e pelo Plenário
Inscreva-se na newsletter

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.