Teto de gastos

André Roncaglia: O teto de gastos e a austeridade seletiva

A aplicação mecânica de uma regra de compressão de gastos se depara com limites sensíveis. Afinal, o Estado mantém estruturas cujos pisos de gastos não podem ser reduzidos, sob pena de desrespeito aos preceitos constitucionais
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A regra do teto foi oficializada pela Emenda Constitucional 95, em dezembro de 2016, no recém-iniciado governo Temer. O “novo regime fiscal” limitou a expansão dos gastos correntes à taxa de inflação do ano anterior.

Em 2020, a pandemia obrigou o Congresso Nacional a declarar estado de calamidade. Suspendeu-se a aplicação do teto de gastos e de outras regras fiscais. A decisão de não renovar a medida para 2021, em meio ao crescente contágio da COVID-19, impôs a necessidade de fazer um ajuste fiscal de 8% do PIB em 2021. Com efeito, viu-se a paralisação de diversas funções do Estado, como fiscalização ambiental, a realização do Censo em 2021 e o financiamento dos institutos e universidades federais, dentre outros.

Como quase metade da arrecadação do Estado vem de impostos sobre consumo, a inflação elevou as receitas públicas. Pela regra do teto, nada pode ser feito no lado do gasto – a não ser por meio de escapulidas clandestinas para assaltar a conta única do Tesouro. Este é o caso do “orçamento secreto” de R$ 30 bilhões para a compra superfaturada de equipamentos e insumos agrícolas – blindagem contra o impeachment custa caro.

Sob pressão das circunstâncias, a regra do teto acabou produzindo uma indesejada “austeridade seletiva”, isto é, a seleção arbitrária de despesas que entram debaixo do teto, enquanto outras ficam fora.

Ademais, a regra do teto faz o governo torcer por mais inflação. Por exemplo, a inflação alta em um ano significa maior gasto público no ano seguinte. Neste meio tempo, o Banco Central eleva a taxa de juros para controlar a inflação e acaba onerando mais o serviço de juro da dívida pública. Este gasto não está sob o teto, mas se soma à despesa obrigatória elevada pela inflação passada. Esta combinação eleva o superávit primário necessário para estabilizar a dívida, comprimindo os investimentos públicos. Piora a composição dos gastos públicos. O menor espaço orçamentário reforça a austeridade seletiva.

Em 2021, a combinação de taxa de juros real negativa com inflação mais alta produziu um efeito positivo sobre a dinâmica da dívida pública. A taxa de juros real negativa atenua o crescimento do numerador da razão Dívida/PIB, enquanto a inflação impulsiona o denominador. Mesmo com os déficits combinados de 2020 e 2021, a dívida brasileira deve cair para 87% do PIB. Mesmo com esta melhora no indicador-chave da política fiscal, a regra do teto não permite qualquer descompressão de gasto.

A aplicação mecânica de uma regra de compressão de gastos se depara com limites sensíveis. Afinal, o Estado mantém estruturas cujos pisos de gastos não podem ser reduzidos, sob pena de desrespeito aos preceitos constitucionais.

Um regime fiscal adequado deve avaliar constantemente a qualidade dos gastos, segundo critérios técnicos, alocando recursos nos setores estratégicos do país. Do lado da arrecadação, deve-se reduzir as isenções fiscais que passam de R$ 300 bilhões anuais, sem prazo de validade. Cumpre também avançar uma reforma tributária que alivie e simplifique a carga de impostos sobre as empresas, enquanto distribui progressivamente a renda e riqueza pessoal, por meio do fomento a investimentos produtivos que gerem novos negócios, bons empregos e inclusão social.


Quem é André Roncaglia?

André Roncaglia é professor de economia da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e pesquisador associado do CEBRAP. Escreveu com Paulo Gala o livro “Brasil, uma economia que não aprende”. Twitter: @andreroncaglia e Youtube: andreroncaglia.

Inscreva-se na newsletter
Relacionadas
Pazuello livre
Os militares não são defensores da democracia e agentes passivos de um projeto de rompimento institucional promovido por Bolsonaro
Pazuello livre
A proteção a Pazuello traz algumas marcas das atuações (ou falta de) por parte do Exército nos anos recentes: incentivo à insubordinação, corporativismo e atuação política
Teto de gastos
A experiência recente no país com investimento público, infelizmente, não tem sido boa, como lembramos do nada saudoso PAC da ex-presidente Dilma
CPI da Pandemia
O que se pode esperar dessa Comissão, analisadas a sua composição e repercussão, mas também a sua função precípua?
CPI da Pandemia
Há motivos substantivos e procedimentais para que a comissão provoque grandes estragos no governo e dificulte a reeleição de Bolsonaro, sua prioridade absoluta
Constituinte no Chile
Para a reforma da Carta Magna, três áreas chaves devem balizar os trabalhos

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.