Teto de gastos

André Roncaglia: O teto de gastos e a austeridade seletiva

A aplicação mecânica de uma regra de compressão de gastos se depara com limites sensíveis. Afinal, o Estado mantém estruturas cujos pisos de gastos não podem ser reduzidos, sob pena de desrespeito aos preceitos constitucionais
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A regra do teto foi oficializada pela Emenda Constitucional 95, em dezembro de 2016, no recém-iniciado governo Temer. O “novo regime fiscal” limitou a expansão dos gastos correntes à taxa de inflação do ano anterior.

Em 2020, a pandemia obrigou o Congresso Nacional a declarar estado de calamidade. Suspendeu-se a aplicação do teto de gastos e de outras regras fiscais. A decisão de não renovar a medida para 2021, em meio ao crescente contágio da COVID-19, impôs a necessidade de fazer um ajuste fiscal de 8% do PIB em 2021. Com efeito, viu-se a paralisação de diversas funções do Estado, como fiscalização ambiental, a realização do Censo em 2021 e o financiamento dos institutos e universidades federais, dentre outros.

Como quase metade da arrecadação do Estado vem de impostos sobre consumo, a inflação elevou as receitas públicas. Pela regra do teto, nada pode ser feito no lado do gasto – a não ser por meio de escapulidas clandestinas para assaltar a conta única do Tesouro. Este é o caso do “orçamento secreto” de R$ 30 bilhões para a compra superfaturada de equipamentos e insumos agrícolas – blindagem contra o impeachment custa caro.

Sob pressão das circunstâncias, a regra do teto acabou produzindo uma indesejada “austeridade seletiva”, isto é, a seleção arbitrária de despesas que entram debaixo do teto, enquanto outras ficam fora.

Ademais, a regra do teto faz o governo torcer por mais inflação. Por exemplo, a inflação alta em um ano significa maior gasto público no ano seguinte. Neste meio tempo, o Banco Central eleva a taxa de juros para controlar a inflação e acaba onerando mais o serviço de juro da dívida pública. Este gasto não está sob o teto, mas se soma à despesa obrigatória elevada pela inflação passada. Esta combinação eleva o superávit primário necessário para estabilizar a dívida, comprimindo os investimentos públicos. Piora a composição dos gastos públicos. O menor espaço orçamentário reforça a austeridade seletiva.

Em 2021, a combinação de taxa de juros real negativa com inflação mais alta produziu um efeito positivo sobre a dinâmica da dívida pública. A taxa de juros real negativa atenua o crescimento do numerador da razão Dívida/PIB, enquanto a inflação impulsiona o denominador. Mesmo com os déficits combinados de 2020 e 2021, a dívida brasileira deve cair para 87% do PIB. Mesmo com esta melhora no indicador-chave da política fiscal, a regra do teto não permite qualquer descompressão de gasto.

A aplicação mecânica de uma regra de compressão de gastos se depara com limites sensíveis. Afinal, o Estado mantém estruturas cujos pisos de gastos não podem ser reduzidos, sob pena de desrespeito aos preceitos constitucionais.

Um regime fiscal adequado deve avaliar constantemente a qualidade dos gastos, segundo critérios técnicos, alocando recursos nos setores estratégicos do país. Do lado da arrecadação, deve-se reduzir as isenções fiscais que passam de R$ 300 bilhões anuais, sem prazo de validade. Cumpre também avançar uma reforma tributária que alivie e simplifique a carga de impostos sobre as empresas, enquanto distribui progressivamente a renda e riqueza pessoal, por meio do fomento a investimentos produtivos que gerem novos negócios, bons empregos e inclusão social.


Quem é André Roncaglia?

André Roncaglia é professor de economia da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e pesquisador associado do CEBRAP. Escreveu com Paulo Gala o livro “Brasil, uma economia que não aprende”. Twitter: @andreroncaglia e Youtube: andreroncaglia.

Relacionadas
Supremo Tribunal Federal
Não há dúvidas de que o poder de decisão concentrado exclusivamente nas mãos do Chefe do Executivo sempre levantará desconfiança da população
Supremo Tribunal Federal
Antecipam-se as críticas que inevitavelmente surgirão e com isso ganha-se tempo para amenizá-las
Mudanças fiscais
Os efeitos de médio e longo prazo podem ser perversos: devem afetar diretamente a eficiência, criando desestímulos ao aumento da capacidade produtiva, reduzindo potencial de contratação e criando dificuldades adicionais ao aumento da renda média
Mudanças fiscais
Parece-nos temerário tratar da tributação de dividendos no Brasil sem olhar os números relativos à tributação corporativa, revisitando o sistema fiscal como um todo, como é o caso do PL nº 2.337/2021
Crise hídrica
Não há precedente na experiência internacional de um Estado que esteja se desfazendo de sua principal empresa de energia elétrica às vésperas de uma crise hídrica
Crise hídrica
A fim de evitar um apagão do fornecimento elétrico, o país fica obrigado a utilizar suas usinas termelétricas que funcionam a partir de gás natural – uma energia mais suja em comparação à hidrelétrica
Inscreva-se na newsletter

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.