Israel e Palestina

Ibrahim Alzeben: Israel aprendeu a lição? O mundo vai se mover?

Israel é um país ocupante. O mundo deve reconhecer publica e efetivamente. A paz é nossa escolha. Segue sendo nossa escolha
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A Terra três vezes Santa foi transformada da noite para o dia em um campo de batalha novamente, após uma relativa calma que durou anos.

O mundo apostou na paz, e a maioria dos palestinos também.

As últimas três décadas foram acompanhadas por um declínio gradual nas chances de paz entre Israel e Palestina. Não pretendo aqui entrar nos detalhes que já são convencidos por todos desde a assinatura dos acordos de Oslo, inclusive desde antes, mas temos que ler os resultados obtidos.

A região está à beira de um precipício, à beira de uma guerra devastadora em que se especula o possível uso armas Não convencionais, da tecnologia avançada de destruição ameaçando a região e seus arredores e a segurança da paz mundial.

A palavra agora é do mundo e das suas instituições responsável por manter a segurança, a paz, o meio ambiente e os direitos humanos.


A Organização das Nações Unidas (ONU), os Estados Unidos e sua nova administração, o Quarteto Internacional e os países vizinhos. Esta guerra deve parar, mas sobre bases sólidas, claras e específicas que levem ao estabelecimento do Estado da Palestina com Jerusalém Oriental como sua capital, de acordo com as resoluções da ONU e da vontade declarada do mundo.

As guerras mais terríveis e destrutivas começaram com uma faísca.

Os acontecimentos agora alcançam o nível de genocídio.

Precisamos por acaso de outra rodada que será muito pior do que suas antecessoras?

A destruição de Gaza por Israel e a privação do povo da Palestina de seus direitos legítimos apenas destrói a paz e as oportunidades de coexistência pelas quais lutamos e aceitamos, apesar da injustiça histórica ao longo de setenta e três anos.

Israel é um país ocupante. O mundo deve reconhecer publica e efetivamente. A paz é nossa escolha. Segue sendo nossa escolha.

A região não tem outro caminho digno a não ser a paz baseada na justiça e na força da lei.


Quem é Ibrahim Alzeben?

Ibrahim Alzeben é embaixador da Palestina no Brasil.

Inscreva-se na newsletter
Relacionadas
Pazuello livre
Os militares não são defensores da democracia e agentes passivos de um projeto de rompimento institucional promovido por Bolsonaro
Pazuello livre
A proteção a Pazuello traz algumas marcas das atuações (ou falta de) por parte do Exército nos anos recentes: incentivo à insubordinação, corporativismo e atuação política
Teto de gastos
A experiência recente no país com investimento público, infelizmente, não tem sido boa, como lembramos do nada saudoso PAC da ex-presidente Dilma
Teto de gastos
A aplicação mecânica de uma regra de compressão de gastos se depara com limites sensíveis. Afinal, o Estado mantém estruturas cujos pisos de gastos não podem ser reduzidos, sob pena de desrespeito aos preceitos constitucionais
CPI da Pandemia
O que se pode esperar dessa Comissão, analisadas a sua composição e repercussão, mas também a sua função precípua?
CPI da Pandemia
Há motivos substantivos e procedimentais para que a comissão provoque grandes estragos no governo e dificulte a reeleição de Bolsonaro, sua prioridade absoluta

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.