Supremo Tribunal Federal

Michael Freitas Mohallem: A indicação de André Mendonça ainda é um jogo aberto

Antecipam-se as críticas que inevitavelmente surgirão e com isso ganha-se tempo para amenizá-las
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A indicação de André Mendonça para o Supremo Tribunal Federal não causou surpresa – seu nome vem sendo lembrado como provável substituto do decano Marco Aurélio Mello há muitos meses. Mas qualquer análise neste momento merece cautela. Como o nome ainda não foi oficialmente enviado ao Senado para sabatina e votação, é possível que seja um ensaio: antecipam-se as críticas que inevitavelmente surgirão e com isso ganha-se tempo para amenizá-las.

Caso o nome se mostre inviável, busca-se novo indicado sem que o Bolsonaro tenha que recuar oficialmente. O governo passa por um momento de fragilidade – especialmente no Senado – de modo que a indicação ainda é um jogo aberto.

Caso a indicação se confirme, duas questões surgem como importantes preocupações sobre a sua futura atuação como ministro do Supremo: qual é a dimensão da fé na sua atuação pública? Conseguirá construir trajetória independente?

A busca por um ministro evangélico vem sendo capitalizada politicamente por Bolsonaro desde o começo do seu mandato. Grupos religiosos perceberam que um único ministro do Supremo pode fazer avançar posições jurídicas – ou bloqueá-las, a depender do tema. A cadeira do Supremo é, mais do que nunca, moeda de acordos políticos e a indicação de Mendonça deve significar apoio de lideranças evangélicas à Bolsonaro em 2022.

Antes de André Mendonça, outros ministros manifestaram ostensivamente a fé, mas ele talvez seja o primeiro a ser escolhido explicitamente por essa identidade. É possível que o novo ministro compreenda a dimensão política da ênfase religiosa dada a sua escolha e consiga, com a toga, limitar sua fé como prática privada para manter uma atuação laica como homem público. Se for esse o caso, sua atuação recente como AGU no caso de restrição de cultos religiosos durante a pandemia, quando sugeriu que pessoas de fé preferiam morrer a aguardar a reabertura dos templos, terá sido tão somente campanha pela vaga na Corte. Mendonça foi derrotado, mas sua posição estava em desacordo com a ciência e, se vencedora, traria risco adicional para a população.

A segunda grande dúvida é sobre sua capacidade de atuar de forma independente das posições do presidente Bolsonaro. Desde o começo do governo, Mendonça se mostrou um aliado de primeira hora de Bolsonaro. Usou a caneta para agradar o presidente, mesmo quando sabia que sua biografia poderia ser manchada. Foi assim quando usou a poderosa cadeira de Ministro da Justiça para defender Abraham Weintraub perante o STF, como se fosse advogado particular do então ministro. André Mendonça e outras autoridades aparentavam usar as prerrogativas de seus cargos para mostrar fidelidade ao presidente, numa espécie de corrida de sujeição para merecer a indicação ao STF. 

É verdade que nossa Constituição não veda a indicação de aliados próximos do presidente ao STF. O Senado não fará esse tipo de análise ao votar o nome – nunca fez. É uma falha que fragiliza o STF e permite duvidar se o cargo vitalício é suficiente para trazer a independência que não havia antes. Felizmente a história recente do Supremo é cheia de casos de emancipação.

________________________________________________________________________________________________

Quem é Michael Freitas Mohallem?

Michael Freitas Mohallem é professor e advogado especialista em Direito Público

Relacionadas
Supremo Tribunal Federal
Não há dúvidas de que o poder de decisão concentrado exclusivamente nas mãos do Chefe do Executivo sempre levantará desconfiança da população
Mudanças fiscais
Os efeitos de médio e longo prazo podem ser perversos: devem afetar diretamente a eficiência, criando desestímulos ao aumento da capacidade produtiva, reduzindo potencial de contratação e criando dificuldades adicionais ao aumento da renda média
Mudanças fiscais
Parece-nos temerário tratar da tributação de dividendos no Brasil sem olhar os números relativos à tributação corporativa, revisitando o sistema fiscal como um todo, como é o caso do PL nº 2.337/2021
Crise hídrica
Não há precedente na experiência internacional de um Estado que esteja se desfazendo de sua principal empresa de energia elétrica às vésperas de uma crise hídrica
Crise hídrica
A fim de evitar um apagão do fornecimento elétrico, o país fica obrigado a utilizar suas usinas termelétricas que funcionam a partir de gás natural – uma energia mais suja em comparação à hidrelétrica
Pazuello livre
A proteção a Pazuello traz algumas marcas das atuações (ou falta de) por parte do Exército nos anos recentes: incentivo à insubordinação, corporativismo e atuação política
Inscreva-se na newsletter

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.