PL DAS POLÍCIAS

Capitão Augusto: a relevância social da lei de organização nacional das polícias militares e dos corpos de bombeiros militares

"A nova legislação deve viabilizar instrumentos que permitam otimizar o emprego dos profissionais de segurança pública e o emprego dos recursos públicos"
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A segurança pública é o pilar que sustenta todas as demais atividades da
sociedade, sem segurança, sequer outras sensíveis áreas como saúde e
educação, teriam garantias e condições para o seu regular funcionamento.
A Constituição Federal prevê enquanto atribuição das Polícias Militares a
preservação da ordem pública (art.144, §5º) e aos Corpos de Bombeiros, no
mesmo dispositivo, as atividades de Defesa Civil, além de outras definidas em lei.

Pela falta de padronização e atualização das normas aplicáveis às
Polícias Militares e aos Corpos de Bombeiros Militares, atualmente encontra-se no Brasil uma verdadeira disparidade no que tange ao regular funcionamento destas instituições, que possuem a relevante e sensível atribuição de preservar a ordem social.

A Constituição Federal desde a sua promulgação em 1988 prevê o caráter
nacional das Polícias Militares e dos Corpos de Bombeiros Militares, na
segurança pública e na defesa da pátria. Por essa razão, o próprio texto
constitucional prevê que a organização geral destas instituições militares
estaduais, deve ser feita por Lei Federal, justamente buscando trazer e manter uma padronização.

Deputado Capitão Augusto durante o lançamento da Frente Parlamentar da Segurança Pública na Câmara.
Deputado Capitão Augusto durante o lançamento da Frente Parlamentar da Segurança Pública na Câmara. Foto: Marcelo Camargo (Agência Brasil).

Apesar do mandamento constitucional de uma organização nacional das
Polícias Militares e dos Corpos de Bombeiros Militares, esta regulamentação é feita por uma lei de 1969 (Decreto-Lei nº 667) e um decreto de 1983 (nº 88.777), de forma que urge a necessidade de uma atualização destas normativas, para os padrões e a realidade dos dias atuais.

O próprio crime organizado, cada vez mais se estrutura em âmbito
nacional e internacional, de modo que a falta de uma padronização e interação nacional das instituições de segurança pública, inviabiliza inclusive o combate a estas práticas criminosas.

Para além de conter dispositivos voltados a melhor sintonia entre estas
instituições militares estaduais, a nova lei de organização será voltada ainda a padronizar a qualificação destes profissionais, desde o processo de seleção, trazendo da sociedade para dentro das corporações, pessoas mais qualificadas e conscientes, que já tenham, pelo menos, passado pelo convívio acadêmico no ambiente de uma universidade, com visão plural e maior conhecimento prévio, que agregará valor a atividade desempenhada, da mesma forma, busca-se melhor qualificar os cursos de formação e os cursos de aperfeiçoamento, com conhecimentos científicos aplicáveis à segurança pública.

A nova legislação deve viabilizar instrumentos que permitam otimizar o
emprego dos profissionais de segurança pública e o emprego dos recursos
públicos, como o melhor detalhamento para ações modernas e padronizadas sobre o atendimento policial e o exercício da atividade de polícia administrativa, onde estas Corporações atuarão de maneira mais efetiva no processo de autorização, fiscalização e até interdição, conforme o caso, de eventos, obras e demais situações rotineiras da sociedade, com o intuito de evitar a escalada da criminalidade, por efetiva ação preventiva/repressiva.

Por fim, busca-se por este instrumento de atualização e progresso das
instituições militares estaduais, trazer uma regulamentação que seja vantajosa para as Corporações, para os profissionais de segurança pública, e especialmente, para a sociedade brasileira, da qual solicitamos o apoio para a aprovação desta importante medida, por meio do iminente Parecer que será apresentado ao Projeto de Lei de nº 4.363/2001.


Quem é Capitão Augusto

*Capitão Augusto é deputado federal, presidente da Frente Parlamentar da Segurança Pública, presidente da Comissão Permanente de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados.

Relacionadas
Supremo Tribunal Federal
Não há dúvidas de que o poder de decisão concentrado exclusivamente nas mãos do Chefe do Executivo sempre levantará desconfiança da população
Supremo Tribunal Federal
Antecipam-se as críticas que inevitavelmente surgirão e com isso ganha-se tempo para amenizá-las
Mudanças fiscais
Os efeitos de médio e longo prazo podem ser perversos: devem afetar diretamente a eficiência, criando desestímulos ao aumento da capacidade produtiva, reduzindo potencial de contratação e criando dificuldades adicionais ao aumento da renda média
Mudanças fiscais
Parece-nos temerário tratar da tributação de dividendos no Brasil sem olhar os números relativos à tributação corporativa, revisitando o sistema fiscal como um todo, como é o caso do PL nº 2.337/2021
Crise hídrica
Não há precedente na experiência internacional de um Estado que esteja se desfazendo de sua principal empresa de energia elétrica às vésperas de uma crise hídrica
Crise hídrica
A fim de evitar um apagão do fornecimento elétrico, o país fica obrigado a utilizar suas usinas termelétricas que funcionam a partir de gás natural – uma energia mais suja em comparação à hidrelétrica
Inscreva-se na newsletter

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.