APÓS ORÇAMENTO

Com 5 alterações no Ministério, Guedes diz que trocas são “remanejamento de equipe”

Para analistas, dança das cadeiras acontece em meio a "desgaste" com Congresso e "fragilidade" do ministro
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O ministro da Economia, Paulo Guedes, promoveu nesta semana cinco trocas em secretarias e assessorias da pasta, uma semana após a sanção do Orçamento de 2021. Na noite de terça-feira (27), o ministro afirmou que as mudanças não são demissões, mas um “remanejamento da equipe”.

As alterações começaram com a saída de Waldery Rodrigues do cargo de secretário Especial de Fazenda. O posto fica com Bruno Funchal, que era secretário do Tesouro Nacional. Waldery assume agora como assessor especial do ministro. No lugar de Funchal no Tesouro, o indicado foi Jeferson Bittencourt, que era assessor especial de Guedes. 

A dança das cadeiras levou ainda à saída de George Soares da secretaria de Orçamento Federal (SOF). Ele foi substituído por Ariosto Antunes Culau, servidor de carreira do Ministério da Economia. 

Às vésperas do andamento da reforma tributária na Câmara dos Deputados, a pasta teve a baixa também de Vanessa Canado, assessora especial para reforma tributária do Ministério da Economia.  O cargo será ocupado por Isaías Coelho, pesquisador do Núcleo de Estudos Fiscais da FGV. 

Segundo Thiago de Aragão, diretor de estratégia da Arko Advice, as mudanças já estavam no radar do Ministério da Economia e o ministro “pensava há bastante tempo em várias trocas”. Em entrevista ao Dinheiro Na Conta, o analista explica que o remanejamento vem também em razão dos desgastes do Ministério com o Congresso, em meio a dificuldade do Palácio em fazer o “meio campo”.

“Para começo de conversa a lógica do Ministério é gastar menos enquanto a lógica do Congresso é gastar mais. O meio termo disso precisa ser mediado. O Orçamento foi um exemplo claro de como essa linguagem não foi mediada de uma forma correta. Acabou gerando essa pressão muito grande no Ministério, por conta da força e da influência que o Centrão tem em cima do governo”, diz Aragão.

Para o cientista político Vítor Oliveira, diretor da Consultoria Pulso Público, as trocas acontecem em um momento de fragilidade de Paulo Guedes. “A gente vê na verdade uma adaptação [nessas trocas] visando a sobrevivência no cargo”, afirma o analista ao Dinheiro Na Conta. 

Para Oliveira, o ministro — que representaria aos olhos do mercado e agentes econômicos uma fonte de racionalidade e limites para o governo — tem se mostrado cada vez mais alinhado a uma agenda bolsonarista menos liberal. “O ministro Guedes tem se mostrado muito mais alinhado a esse bolsonarismo muito mais radical e intervencionista do que fiel ao seu discurso liberal”, afirma.

Inscreva-se na newsletter
Relacionadas
Conteúdo patrocinado
Existem alternativas ao sistema público de previdência, confira no Guia do Cooperativismo Financeiro do Sicoob
CORTE NO ORÇAMENTO
Com corte no orçamento, universidades podem paralisar atividades no segundo semestre. Segundo Andifes, nenhuma instituição chega ao fim do ano com verba atual
Meio Ambiente
Desmatamento afeta regime de chuvas, o que prejudica produtividade e causa prejuízos. Estudo brasileiro foi publicado na “Nature Communications”
Comércio
Pesquisa mostra que 19% vão fazer PIX para suas mães. Itens mais citados foram roupas e acessórios
Teorias da conspiração
O deputado federal Fausto Pinato questiona a sanidade mental do presidente e diz que o Brasil está se isolando do mundo
TAXA DE JUROS
Elevação de 0,75 ponto percentual já era esperada pelo mercado. Alta foi motivada pela inflação

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.