PETROBRAS

Conselho da Petrobras se reúne nesta terça após troca no comando da estatal

Reunião é a primeira após indicação de Silva e Luna para cargo de Castello Branco
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O Conselho de Administração da Petrobras se reúne nesta terça-feira (23). A pauta da reunião extraordinária não foi divulgada. A expectativa é de que os conselheiros debatam a indicação do general da reserva do Exército, Joaquim da Silva e Luna, para a presidência da estatal. A indicação dele foi feita na sexta-feira (19) pelo presidente Jair Bolsonaro.

Ao todo, o conselho tem 11 integrantes, sendo dois militares da reserva. Entre os conselheiros, sete são indicados pela União, que é acionista controlador, três são indicados por outros acionistas e um nome é escolhido pelos empregados da Petrobras.

O presidente Jair Bolsonaro durante pronunciamento sobre preço dos combustíveis e a política de reajustes adotada pela Petrobras.
O presidente Jair Bolsonaro durante pronunciamento sobre preço dos combustíveis e a política de reajustes adotada pela Petrobras. Foto: Marcelo Camargo (Agência Brasil).

A eleição do conselho aconteceu em julho do ano passado em um Assembleia Geral Ordinária e o mandato é de até dois anos, podendo ter três reeleições consecutivas.

O professor em Estratégia e Gestão Pública do Insper Sandro Cabral criticou a forma como o presidente agiu na indicação. Cabral ressaltou que Bolsonaro não tem poder de destituir o presidente da Petrobras.

“A gente está assistindo uma sucessão de absurdos. O presidente da República está agindo como se a empresa fosse dele, como se ele pudesse trocar o presidente, mas quem tem esse poder, seguindo as normas de governança é o Conselho de Administração. Existem ritos”, declarou.

Reação do mercado

Desde o anúncio feito pelo presidente Jair Bolsonaro, a Petrobras já perdeu mais de R$ 100 bilhões em valor de mercado. Nesta segunda, as ações da estatal chegaram a cair 20% e o Ibovespa, o principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, encerrou em forte queda de quase 5%.

O dólar comercial bateu R$ 5,53, o maior valor desde novembro do ano passado. O Banco Central teve que realizar um leilão para colocar a moeda americana no mercado e tentar segurar a alta. Ao menos seis bancos de investimentos cortaram a recomendação para compra de ações da empresa.

Relacionadas
Intervenção do BC
Moeda dos EUA opera em forte alta após mudanças em políticas de preços de combustíveis
Ministro da Economia
Ministro defendeu limites para o endividamento público e falou sobre sua permanência no cargo
DESIGUALDADE
Avanço da pandemia, desemprego, inflação sobre alimentos e afrouxamento de políticas de proteção social agravam cenário
REAJUSTE
No ano, é a quinta alta da gasolina e a sexta do diesel. Elevações fizeram Bolsonaro trocar comando da estatal
home office?
Em janeiro, desvalorização de imóveis comerciais se estabilizou. Tendência é que empresas comecem a retomar atividades presenciais em escritórios mais adaptados ao home office
CRISE DA PANDEMIA
Paulo Gala avalia condução econômica do governo e alerta para um início de 2021 problemático ao Brasil

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.