PREVIDÊNCIA PRIVADA

Consumidor precisa pesquisar bastante antes de contratar um plano de saúde

Verificar exatamente o que o contrato oferece pode evitar dor de cabeça na hora de contratar um plano de saúde. Assunto será um dos temas do 42º Congresso da Abrapp
por 
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Ter em conta apenas o custo mensal do plano de saúde na hora da contratação, não é muito indicado por especialistas que atuam no mercado de previdência privada. Questões como rede credenciada, hospitais de referência, carência, entre outras, devem ser levadas em consideração antes de assumir o compromisso. É o que alerta Rafael Robba, advogado especialista na área de direito da saúde.

“Quando o consumidor for contratar um plano de saúde, é importante que ele olhe a rede credenciada, verifique se existe pelo menos um hospital onde ele se sente confortável e confia, para procurar atendimento se for necessário. Verificar todas as condições relativas a reajuste, reembolso – se for o caso, abrangência de cobertura (nacional ou regional). São várias questões. O importante é que o consumidor seja curioso, exija explicações do corretor. Se não sentir confiança, que troque de corretor. Seja curioso e explore o máximo de informações possíveis e que as promessas estejam documentadas em contrato. Para que o consumidor possa, lá na frente, exigir os seus direitos”, explicou Rafael Robba, em entrevista ao Almoço do MyNews, no Canal MyNews.

Plano de saúde, médico, consulta
Questões como cobertura, carência e rede credenciada precisam de atenção (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)

O advogado comentou as graves acusações contra a operadora Prevent Senior – levantadas pela CPI da Pandemia, no Senado Federal, de alterações em prontuários médicos e atestados de óbitos, utilização de medicações sem comprovação científica e realização de pesquisa sem autorização dos órgãos competentes e sem conhecimento dos pacientes e seus familiares com o chamado “kit covid”, ou tratamento precoce para Covid-19.

A jornalista Myrian Clark citou, entre os casos levantados pela CPI, o de um homem com um quadro grave de complicações por conta do Covid-19 que teria sido colocado em cuidados paliativos, mesmo com chances de recuperação. A família precisou transferir o homem para outra unidade de saúde e a Prevent Senior foi obrigada a pagar os custos do tratamento, num total de R$ 2 milhões. O homem sobreviveu e participou de audiência à CPI da Pandemia na última semana.

“São acusações graves que, se forem confirmadas, precisam ter a responsabilização. Esses fatos colocam a assistência em risco, descredibilizam as empresas de plano de saúde. Os consumidores têm demonstrado muita preocupação. Temos recebido muitos contatos de pessoas, principalmente clientes da Prevent Senior. Pessoas idosas, muito preocupadas com o futuro da empresa e da operadora”, explicou Robba.

Planos de saúde que também têm redes de hospitais precisam ser melhor regulados pela ANS

Para o especialista, a situação de operadoras de plano de saúde que também operam redes de hospitais e atendimento próprios – caso da Prevent Senior e da Hapvida, que também tem sido citada como empresa que teria indicado amplamente o “kit covid” – é uma situação mal fiscalizada e mal regulada pela Agência Nacional de Saúde (ANS) e que cria situações de conflito de interesses.

“Nestes casos, os hospitais, a equipe médica e os funcionários são subordinados à operadora de saúde, que tem interesse em reduzir os custos. E os médicos não podem ter os custos como limites para tratar os pacientes. A autonomia médica é limitada em prejuízo do bom tratamento que deve ser prestado aos consumidores”, pontuou.

Para os casos de consumidores, ou seus familiares, que se sentirem prejudicados pela conduta dos planos de saúde, em caso semelhantes ao apontado na CPI da Pandemia, ou em situações diversas de precisar fazer um tratamento fora da rede de atendimento, ou pagar por um exame que deveria ser pago pelo plano de saúde, por exemplo, Rafael Robba diz que é possível entrar com ação na justiça.

“É importante que tenha documentado os contatos e toda a relação com o plano de saúde. O judiciário vai analisar o caso e se entender que houve negligência, certamente haverá condenação da operadora de saúde para arcar com questão”. No caso das Santas Casas, que em alguns casos também atuam como operadoras de saúde – o advogado explicou que é necessário analisar caso a caso e não é possível generalizar como deve ser a atuação em relação à uma possível ação judicial.

42º Congresso Brasileiro de Previdência Privada começa em 19 de outubro

Previdência privada é o assunto principal do 42º Congresso Brasileiro de Previdência Privada – maior evento do mundo sobre o assunto, que acontecerá entre os dias 19 e 22 de outubro, com o tema “Atitude à prova de futuro #liderprotagonista”. Durante toda a semana o MyNews trará informações relevantes sobre previdência privada. Na próxima quarta (13), quem participa do Almoço do MyNews é o diretor-presidente da Associação Brasileira de Previdência Privada (Abrapp), Luís Ricardo Martins. Mais informações sobre o 42º Congresso da Abrapp podem ser obtidas no site do evento.

Assista diariamente, ao meio-dia, o Almoço do MyNews, no Canal MyNews, com apresentação de Myrian Clark

Relacionadas
CONJUNTURA
Diversos fatores influenciam o aumento dos preços dos combustíveis, em especial a política de paridade de preço com o mercado internacional e a variação cambial
Alta nos preços
Nas refinarias, litro da gasolina terá alta de 7,04%, enquanto diesel sobe 9,15%
DEMISSÃO COLETIVA
Após governo liderar uma manobra para ampliar teto de gastos, secretários pediram demissão. Ministério da Economia diz que saídas ocorrem por motivos pessoais
ABRAPP
Questões como poupança futura, plano de previdência e qualidade de vida na terceira idade deveriam ser prioridade. Economizar para o futuro deveria ser assunto da juventude
JUDICIALIZAÇÃO
O sindicato pede liminar urgente para que a negociação da Reman seja paralisada imediatamente, a fim de evitar prejuízo aos cofres públicos
ABRAPP
Entre os assuntos de destaque do 42º Congresso Brasileiro de Previdência Privada estão questões relacionadas a investimentos sustentáveis, novos modelos de negócio e planos familiares
Inscreva-se na newsletter

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.