SEGUNDA CHAMADA

Ciro Gomes concentra críticas em Moro e Bolsonaro durante entrevista

Para Ciro Gomes, Brasil virou 'pária internacional por conta da política ambiental do governo Bolsonaro. O ex-ministro não poupou críticas ao atual presidente e ao ex-ministro da Justiça, a quem considera um 'corrupto'
por 
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Entrevistado especial do Segunda Chamada deste dia 22, gravado diretamente de Portugal, o ex-ministro e pré-candidato à presidência da República Ciro Gomes (PDT) concentrou suas críticas ao ex-ministro da Justiça do Governo Bolsonaro e também pré-candidato à presidência nas eleições de 2022, Sérgio Moro (Podemos), e ao atual presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Para Ciro Gomes, o Brasil virou um “pária internacional” por conta da política ambiental do governo Bolsonaro e devido à crise econômica em que o país foi colocado. Além disso, Ciro criticou a postura de Bolsonaro diante da pandemia do Covid-19 e na condução de ações para alavancar a economia do país.

Ciro Gomes
O ex-ministro e ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), foi entrevistado por Mara Luquet, Antonio Tabet, Lucas Mendes e Caio Blinder no Segunda Chamada gravado diretamente de Portugal

“O Brasil virou um pária internacional nos assuntos que importam: o manejo da questão ambiental. Nós saímos de um lugar de protagonistas globais para o lugar de grande bandido e com um presidente que mente descaradamente sobre dados que são disponíveis globalmente, através de acesso por satélite. (…) E você tem todo um conjunto de variáveis que a propaganda interna não engana os grandes formuladores, a (revista) Economist, os editoriais dos jornais, aqueles que leem o Brasil. O Brasil vai muito mal economicamente, vai muito mal no manejo do território, as notícias da degradação social, de violência são substantivas”, afirmou o pedetista.

Para o ex-ministro e ex-governador do Ceará, existem também questões “adjetivas” que passam pela figura do presidente Jair Bolsnaro e por sua forma de governar. “Adjetivamente, você tem um presidente que é um bandido. Desculpa, as pessoas acham que muitas vezes eu uso palavras muito duras, mas é um bandido, é um marginal”, afirmou Ciro, ressaltando a condução da pandemia pelo governo federal.

“Se no Brasil tivesse morrido na pandemia a média de pessoas do mundo, teriam morrido menos 480 mil pessoas. Essas 480 mil pessoas acima da média morreram pela atitude assassina, genocida de Bolsonaro. E as instituições brasileiras estão colapsadas, ou subornadas. No caso, o presidente da Câmara e a maioria dos deputados viraram marginais de uma quadrilha de assaltantes. Orçamento secreto – o que é isso?”, questionou.

Ciro diz que só será presidente se conseguir confiança da população

Questionado sobre seu principal defeito, Ciro disse que “precisa ser mais transigente com a realidade política posta no Brasil”. Sobre quais as qualidades de seus adversários políticos, Lula, Bolsonaro e Moro, o pedetista disse que a viagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à Europa foi boa para o Brasil e que consegue elogiar Lula, ao contrário de Bolsonaro e Moro – a quem chamou de corrupto. Disse ainda que o desejo de ser presidente segue uma condição: “Eu só quero ser presidente da República se eu estabelecer uma relação de confiança com a massa da popular brasileira. Então eu vou falar a verdade, não me importa a consequência”.

“Lula pegou o salário mínimo valendo 120 dólares e entregou valendo 320 dólares. Lula pegou o crédito como proporção do PIB com 15% e entregou com 57%. (..) Moro e Bolsonaro não dá. Moro é um corrupto. O stablishment, o sistema, agora quer fazer do Moro à força. Eles não aprendem nada. O Moro é uma filial deplorável do Bolsonaro. Em qualquer lugar civilizado que você diz: um juiz julgou um político, tirou dele os direitos políticos e em seguida foi ser ministro do político que ganhou as eleições que aquele político não estava participando por uma sentença dele. Isto é de uma ladroeira, de uma corrupção”, argumentou Ciro Gomes, citando a definição de corrupção passiva no Código Penal (aceitar promessa de vantagem indevida) e lembrando que Bolsonaro revelou que se reuniu com Sérgio Moro antes das eleições de 2018 e ofereceu ao então juiz de primeira instância o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal.

“Se isso não for vantagem indevida a qualificar corrupção passiva… temos agora o Supremo Tribunal Federal que diz que Moro é um juiz suspeito. Essa é a primeira dimensão. Quer ver outras? Nossa elite pirou. Moro destruiu a construção pesada brasileira – que não se faz. Vocês acompanharam a crise de 2008. Você manda prender as pessoas e salva as empresas e os trabalhos. Moro destruiu a Odebrecht e sabe onde ele trabalhava até ontem? Pra empresa norte-americana contratada para gerir a massa falida da Odebrecht. Tenha santa paciência! É um picareta!”, continuou.

Apesar de dizer que consegue elogiar o ex-presidente Lula, Ciro Gomes também fez críticas ao petista. “Lula faz uma aposta no ‘nacional-consumismo’. É o neoliberalismo, com a ideia vã, mentirosa, de dourar a pílula. Lula não mudou uma linha das instituições brasileiras. Quando terminou o período do mando do Lula, o Brasil tinha cinco pessoas concentrando a renda de 100 milhões de brasileiros mais pobres. A única mudança institucional [dos governos do PT] que Bolsonaro não destruiu foi a tomada de três pinos”, criticou Ciro Gomes.

Veja a íntegra da entrevista com Ciro Gomes ao Segunda Chamada no Canal MyNews.


Relacionadas
Violência doméstica
Pelo menos 18 estados já contam com lei sobre violência doméstica, mas nem todos os síndicos, porteiros e funcionários conhecem ou têm preparo para cumprir as novas regras. Medo de retaliação é frequente
ELE SÓ PENSA NAQUILO
Segundo interlocutores, ex-presidente Lula disse ser questão de honra derrotar o ex-juiz Sérgio Moro nas urnas em 2022
Amazônia
Relatório do Inpe sobre desmatamento divulgado na quinta-feira está pronto desde final de outubro
ENCONTROS POLÍTICOS
Em viagem pela Europa, o ex-presidente Lula tem se encontrado com lideranças políticas tratando de temas como cooperação internacional, redução da pobreza e impactos das mudanças climáticas
Eleições 2022
Ex-titular do MEC, Ricardo Vélez exaltou candidatura de Moro e fez críticas à forma como Bolsonaro conduz o combate à corrupção
Eleições 2022
Bolsonaro quer Eduardo comandando a legenda no estado, mas Valdemar resiste. Este seria um dos motivos do adiamento da filiação do presidente ao PL
Inscreva-se na newsletter

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.