Teoria da conspiração

Clube Militar publica texto conspiratório e coloca em xeque a democracia no Brasil, diz Roberto Romano

Filósofo e professor da Unicamp destaca que o nazismo também utilizou teorias da conspiração para fins políticos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O filósofo e professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Roberto Romano afirma que o texto “O poder das trevas no Brasil”, publicado pelo Clube Militar, é uma peça perigosa, ainda que recheada de informações falsas.

No artigo assinado pelo presidente da organização, o general de divisão Eduardo José Barbosa, são feitos ataques ao Supremo Tribunal Federal (STF), a imprensa e a CPI da Pandemia.

“Há um exorcismo das teorias conspiração. Conspiração é coisa que é considerada algo sem nenhuma importância, no entanto, boa parte do pensamento político ocidental e do pensamento político que não se pauta por essas escolas de pensamento reconhece a importância das conspirações. Elas são feitas e o método mais usado pelas conspirações é pouco a pouco destilar no público todo o desrespeito às instituições políticas, todo desrespeito aos governantes e todo o desrespeito às leis”, explica o professor da Unicamp.

Romano diz que o nazismo foi ajudado por grandes conspirações, pegando como exemplo os Protocolos dos Sábios de Sião, uma famosa teoria da conspiração antissemita. “Essas cartas podem ser desprovidas de conteúdo e de objetividade, mas elas repetem um mantra e você sabe bem que Platão ensinou que uma mentira repetida muitas vezes torna-se verdade, isso você encontra na República de Platão. Então, nesse caso, não é muito importante saber se de fato esses generais assinaram ou não, o fato é que a existência de um documento como esse coloca em xeque a estrutura do estado democrático de direito no Brasil”.

O filósofo ressalta que a publicação do Clube Militar pode induzir notícias falsas e que o método de falsear a realidade remonta à Grécia antiga, com os sofistas.

“Qual é a grande técnica da sofisma? É apresentar uma mentira mesclada de verdades e essa essa mescla é que traz a credibilidade para os absurdos que são passados adiante. Então esse ponto me parece muito sério, porque você toca na questão da responsabilidade da fala pública, é por isso que a Constituição e toda doutrina jurídica se preocupa muito com a responsabilização do agente público. Você, como agente público, não tem o direito de questionar o estado a que você serve, você pode apresentar críticas ao funcionamento dele, você pode propor modificações, mas você não pode propor o seu fim”, argumenta Romano.

Relacionadas
Investigação apura acusação feita por Moro de que Bolsonaro tentou interferir na Polícia Federal
VOTO IMPRESSO
Possível presença do delegado-geral da PF, que não se concretizou, gerou receio de politização da corporação no debate sobre voto impresso
LIVE DO PRESIDENTE
Em uma transmissão de um pouco mais de duas horas, o presidente resgatou vídeos da internet que comprovariam fraudes nas eleições de 2014 e 2018, atacou o TSE, a imprensa e elogiou seus ministros
SISTEMA ELEITORAL
Em entrevista ao Café do MyNews, Diogo Rais avalia que a pressa pela mudança no sistema de votação pode levar a um colapso
Fake News
Nas redes sociais, STF divulgou campanha rebatendo posicionamento federal de que teria tirado a competência do governo no combate à pandemia
QUARTA CHAMADA
Além de investigar contratos irregulares, CPI da Pandemia vai convocar novamente pessoas que mentiram em depoimento
Inscreva-se na newsletter

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.