colunista Juliana Braga
Jornalista do MyNews
Segurança

Lula toma providências para evitar ataques bolsonaristas

Ex-presidente ficou assustado ao ver um vídeo com homens falando em atirar contra ele
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) planejava iniciar uma série de viagens após o Supremo Tribunal Federal (STF) concluir a votação sobre a suspeição do ex-juiz Sergio Moro e depois de tomar a segunda dose da vacina contra covid-19. Foi aconselhado, no entanto, a esperar mais um pouco para não ser acusado de provocar aglomerações em meio à pandemia. Mas outro temor tem tirado o sono do ex-presidente: militantes bolsonaristas.

O ex-presidente confidenciou a um aliado que recebeu por um aplicativo de mensagens um vídeo no qual homens falam sobre atirar no petista. O receio dele é estar vulnerável a eventuais apoiadores do presidente Jair Bolsonaro que, inflados pelo discurso armamentista do presidente, possam cometer “alguma loucura”. Lula chegou a cogitar mudar de endereço.

A orientação no partido é redobrar a atenção em deslocamentos. Dirigentes já tiveram uma conversa com seguranças do ex-presidente para ficarem atentos. A orientação vale também para a militância petista. O recomendado é evitar embates com adversários.

Por ora, Lula fará viagens apenas para ter conversas políticas. A primeira parada será em Brasília. Ele pretende também ir ao Maranhão, estado comandado pelo governador Flávio Dino (PCdoB).

Inscreva-se na newsletter
Relacionadas
2022
Renato Pereira, contratado por Freixo, fez delação premiada que baseou denúncia contra prefeito do Rio
Caso Pazuello
Estratégia já foi usada em outros momentos de agitações e visa a evitar uma escalada da crise nos quartéis
CPI DA PANDEMIA
Randolfe Rodrigues quer ouvir o presidente da CBF sobre quais são os protocolos de segurança do torneio rejeitado por Argentina e Colômbia
Processo disciplinar
Solução que está sendo construída no Exército prevê advertência sem a ida do general para a reserva, para evitar ataque da CPI
Dados negados
Desde o início da pandemia, Bolsonaro esteve em estabelecimentos comerciais e provocou diversas aglomerações; Gabinete fala em “agenda pessoal”
Manaus
Em documento enviado à CPI da Pandemia, Abiquim argumenta que descentralização do enfrentamento e liminares concedidas aos estados colapsaram “cenário já deficiente”

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.