colunista Juliana Braga
Jornalista do MyNews
ELEIÇÕES

Por Moro, Podemos busca aliança com Centrão em 2022

Objetivo é dar musculatura a uma candidatura de Moro à presidência em 2022, mas partidos resistem
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Embora o ex-juiz tenha pedido até novembro para bater o martelo, as conversas para colocar a candidatura de Sérgio Moro de pé estão a pleno vapor. A presidente nacional do Podemos, a deputada federal Renata Abreu (SP), procurou presidentes de partidos do Centrão consultando sobre a possibilidade de aliança para 2022, como forma de dar musculatura à chapa e um verniz mais político. Esses dirigentes, no entanto, resistem à ideia e ainda veem Moro com bastante desconfiança. 

Até o momento, Renata Abreu já conversou com os presidentes do MDB, Baleia Rossi, DEM, ACM Neto, Solidariedade, Paulinho da Força, e do Republicanos, Marcos Pereira. Ela tem feito consultas sobre a possibilidades de alianças e, até, nomes de vice para compor uma chapa.

As conversas não têm sido animadoras. Moro ainda é visto como um juiz que promoveu um clima antipolítico na condução da força-tarefa da Lava Jato, em Curitiba. Sua gestão no Ministério da Justiça, quando tentou avançar com pautas contrárias aos interesses dos parlamentares, também é mal avaliada.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, durante entrevista coletiva, para divulgar o Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen) de 2019.
O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, durante entrevista coletiva para divulgar o Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen) de 2019. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O objetivo de Renata Abreu com essas conversas é justamente trazer para perto lideranças políticas consolidadas e dar um verniz mais pragmático a Moro. Segundo revelou a interlocutores, quer impedir que o ex-juiz seja visto como um novo Jair Bolsonaro que, por falta de traquejo político, teve um governo fraco e acabou sendo conduzido pelo Congresso. A aposta de caciques partidários é que, no próximo ano, após a pandemia, experiência em gestão será atributo importante para os eleitores.

Teto de Moro é baixo e pode inviabilizar 3ª via

Para entender as possibilidades da sua candidatura, Moro também tem conversado com representantes de institutos de pesquisa. Esta semana, ouviu de um deles que seu teto é 12%. O ex-juiz fica num limbo porque tem a antipatia dos petistas e a antipatia dos bolsonaristas, então fica muito espremido. E caso saia de fato, ele ouviu, inviabilizaria qualquer possibilidade de terceira via, porque fragmentaria demais os votos.

Por conta disso, o ex-ministro tem sido aconselhado a disputar o Senado pelo Paraná. Para ser viável, de acordo com seus conselheiros, ele precisaria anunciar a sua candidatura logo, por dois motivos. Primeiro para dar tempo de construí-la e de trabalhar sua imagem. Segundo porque, dessa forma, acabaria obrigando o governador Ratinho Júnior (PSD) a apoiá-lo. Ratinho está bem avaliado no Paraná, deve ter grande influência na escolha para o Senado, que, no próximo ano, terá apenas uma vaga.

E é neste ponto em que mora o maior desafio de Moro nesse seu plano B. Como só tem uma vaga, caso dispute o Senado, ele teria de tirar a vaga de Álvaro Dias, que foi justamente quem o levou para o Podemos e tem sido seu interlocutor. A única hipótese seria o próprio Álvaro Dias abrir mão da disputa.

Nesta quarta-feira (29), Moro jantou com o ex-ministro da Saúde e pré candidato à presidência, Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS). Em entrevista ao Segunda Chamada, Mandetta apontou que Moro pode ser um fator novo do que chama de “melhor via”, capaz de sacudir o cenário.

“Figuras que estão ocultas neste momento podem surpreender com candidaturas. Eu não sei, por exemplo, o Sérgio Moro o que vai fazer. Ele não é filiado a nenhum partido político, não dialoga com a classe política e pode ser um fator nesta eleição. Amoedo (Novo) junto com Moro? Eu não sei o que pode vir, se pode vir uma decisão de candidatura”, avaliou Mandetta sobre o ex-colega de ministério no governo Jair Bolsonaro (sem partido).

Assista ao Café do MyNews, de segunda a sexta, a partir das 8h30, no Canal MyNews

Relacionadas
Exército
Escola de Sargento de Armas sairá de Três Corações (MG); além de fragilizar presidente do Senado, militares querem ampliar presença no Nordeste
BATATA QUENTE
Ministro da Cidadania anunciou valor mínimo de R$ 400 para o Auxílio Brasil, mas não explicou de onde sairão aos recursos; caberá ao Congresso impor o freio
Câmara
São cinco os parlamentares de olho na cadeira da ministra do TCU Ana Arraes, que se aposenta em julho
OPOSIÇÃO
Adesão às manifestações de 2 de outubro frustrou o PT, que agora quer segmentar para fortalecer Lula em 2022
Orçamento 2022
Novo nome pretende diminuir críticas ao já pejorativo “fundão eleitoral”; parlamentares querem aumento de 50%
REARRANJO PARTIDÁRIO
Ato de filiação do PP deve atrair dissidentes do DEM e do PSL – que juntos formarão a maior bancada da Câmara dos Deputados. Janela partidária deve acontecer em março de 2022
Inscreva-se na newsletter

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e Política de Cookies. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.